Nicolau de cusa: a natureza como síntese da necessidade absoluta da contingência

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1017 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Cardeal, administrador e filósofo alemão, nascido em 1401 em Cusa (hoje distrito de Bernkastel-Kues), e morto em Todi, na Úmbria italiana, a 11 de agosto de 1464, pouco se conhece da formação de Nicolau de Cusa em Deventer. Mas sabemos que, em 1416, é matriculado na Universidade de Heidelberg, mudando-se um ano depois para Pádua, onde, em 1423, recebe o grau de decretorum doctor (doutor emdireito canônico) sob o auspício do famoso cardeal Giuliano Cesarini.

Nicolau de Cusa tornou-se, em sua vida acadêmica e eclesiástica, amigo de muitos humanistas, cientistas como Paolo Toscanelli e inventores como Gutenberg (Cusa chega a contribuir com a impressão de manuscritos gregos). Recebe do papa Eugênio 4º o título de cardeal, mas dignamente o recusa, só sendo convencido a aceitá-lo pelo papaseguinte, Nicolau 5º. Em 1449, é proclamado cardeal-presbítero, e em 1452 torna-se legado do papa na Alemanha, cargo que lhe exige grandes esforços.

Dedicado ferrenhamente à reforma do calendário e à unificação da cristandade, envolve-se na resolução de diversos problemas político-eclesiásticos. Chega a ser preso pelo turbulento duque Sigmund, de quem receberia os maltratos que acabariamantecipando a data da sua morte.

Nicolau de Cusa faleceu em Todi, cidade da Úmbria italiana, na presença de seus amigos, em 11 de agosto de 1464. Seu coração está depositado frente ao altar, no hospital de Cusa, que ele próprio fundou.

Tido por muitos como um filósofo de grande ecletismo, é possível identificar em seu sistema desde a mística neoplatônica até o nominalismo racionalista dosfranciscanos da Escolástica decadente.

Nicolau de Cusa é reconhecido como a grande figura na transição do pensamento medieval para o pensamento moderno, sendo gestado no Renascimento e em seu decurso repleto de contrastes. Nesta época, tanto o misticismo quanto o cientificismo matemático e astronômico crescem com muita força, e essa tensão é bem representada por Nicolau de Cusa em obras filosóficas,como Docta Ignorantia, e teológicas, como De Visione Dei. O filósofo também escreveria trabalhos de cunho jurídico e científico.



Docta Ignorantia

Cusa distinguia quatro graus de conhecimento: 1) os sentidos, que nos dão imagens confusas da realidade; 2) a razão, que lhes proporciona ordem; 3) o intelecto ou razão especulativa, que as unifica; e, finalmente, 4) a contemplação intuitiva, quealcança, na ascensão a Deus, o conhecimento da unidade dos contrários.

Este conhecimento de Deus se dá por via negativa (seguindo a tradição dos místicos agostinianos pré-escolásticos, como Erígena e Pseudo-Dionísio), negando os conhecimentos um por um, já que eles são formas particulares de compreender o ser; de certo modo, porém, é também um conhecimento positivo, porque, ao não predicarnada de Deus, lhe dá a predicação de realidade infinita.

Segundo Cusa, a "unidade dos contrários", a coincidentia oppositorum, ou "unidade suprema", é o próprio Deus. A divindade é a possibilidade de todas as coisas, o possest (posse-est), isto é, o "poder ser" de um modo real e absoluto. Mas essa potência não se resume nem a um maximum nem a um minimum, porque abarca todas as manifestaçõespossíveis do ser.

No infinito, o número máximo coincide com o mínimo, porque nada no infinito pode ter limite, isto é, se transformar em uma unidade quantificável, pela mesma razão que não podem haver dois infinitos. Deus é, assim, o ponto de convergência de todas as oposições, de todas as contradições, de todas as contrariedades e graus possíveis.

Por isso, o homem desejoso de elevar sua alma atéa unidade suprema deve renunciar a toda afirmação e a toda negação. Deve meditar a ponto de privar-se das mais fundamentais contrariedades em seu espírito, e então Deus aparecerá aos poucos, como a água preenchendo o recipiente vazio.

Esta é a Docta Ignorantia, a douta ignorância, porque, ignorando o que há, torna-se conhecedora da profunda e suma verdade do universo, torna-se a verdadeira...
tracking img