Memorial

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1921 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Nasci no dia 06 de Julho de 1988, na cidade de Goiânia. Meus pais são humildes, minha mãe é doméstica e meu pai trabalha como autônomo, quase sempre estudei em escola pública, com a exceção de 6 meses em que cursei a metade da 1ª série do ensino fundamental. Época em que morei com meu avô e, como ele tem uma condição financeira boa, ele bancou meus estudos quando morávamos a mesma cidade, por euser muito pequeno, não me recordo o motivo pelo qual me mudei da cidade.
Minha infância foi um tanto quanto conturbada, morei em pelo menos 8 cidades diferentes, onde estudei em, pelo menos, 10 escolas diferentes. Esse pequeno detalhe em conjunto com a minha falta de memória limita minha capacidade de contar essas lembranças de forma detalhada e nem muito bem divida por séries. Então eu resolvicontar essas pequenas histórias divididas em “Séries iniciais do ensino fundamental”, “Séries finais do ensino fundamental” e “Ensino médio”.
Pouco me lembro das séries que antecederam as séries iniciais do ensino fundamental (maternal), apenas pequenos fragmentos de memória. Lembro apenas de uma escolinha que eu estudava em Porto Franco – MA, de gostar de uma garotinha que se sentava ao meu ladoe de ter um amigo que era um pouco estranho, me lembro vagamente de ele sempre apanhar no recreio de uns garotos e eu sempre tentava livrá-lo da surra.

Séries Iniciais do ensino fundamental

Parte do meu primeiro ano eu estudei em Imperatriz – MA, e outra parte em Macapá – AP. Em imperatriz eu me lembro de gostar de uma garota: Mônica, uma menina gordinha. Aquela paixonite de menino, onde sefinge odiar para não dizer que gosta. Não entendo muito bem o porquê disso, até hoje. Mas o fato é que, de qualquer maneira, não ia dar certo. Tinha um pé de maracujá na recreativa da escola e nela tinha um cacho de marimbondos. Um dia eu e meus amigos estávamos tentando derrubar esse cacho, quando chegou essa Mônica e ficou embaixo para não deixar que façamos isso. Bom, eu simplesmente jogueiuma pedra que acertou o cacho, que caiu e um marimbondo a ferroou no olho, ficou inchado quase uma semana. Pelo menos foi engraçado.
Ainda no Maranhão, eu tive uma experiência que jamais a esquecerei, foi o dia em que perdi meu preconceito. Eu morava com a família da minha mãe, todos brancos, e tinham uma rixa com a família do meu pai, que é moreno e meu avô paterno é negro. Acho que por causadisso eu cresci em meio a um ambiente de preconceito. Na minha sala tinha uma garota negra, e eu a odiava, creio que pelo simples fato de ser negra. Um dia teve uma festa de amigo secreto na sala e eu saí com ela e decidi que não iria comprar presentes. Pois bem, ela saiu comigo também e me deu uma carteira muito legal dos Cavaleiros do Zodíaco, um desenho que eu adorava. Eu adorei a carteira e mesenti horrível, tanto por não ter comprado o seu presente, quanto por tê-la odiado, por tanto tempo, sem motivo algum. Isso me enriqueceu muito como ser humano, mas o preço talvez tenha sido muito alto.
No Amapá, cursei parte da primeira, segunda e terceira séries, se não me engano. Lá tive muitos problemas, a separação dos meus pais, foi tudo muito complicado pra mim, quase não tenho memórias daminha vida lá, tanto dentro como fora da escola, a não ser por dois episódios que me marcaram muito. O primeiro episódio foi quando eu fiz uma aposta boba com meu primo, para ganhar 25 centavos e para isso eu teria que tocar nos seios da professora, eu toquei e, aparentemente deu tudo certo, na saída, cheio de pessoas no pátio da escola, ela nem viu. Mas quando eu cheguei em casa com esses 25centavos, minha mãe me bateu e me fez confessar, no outro dia eu ainda tive que pedir desculpas para a professora, mas no fim ficou tudo bem.
Outro evento que me marcou muito, ainda no Amapá foi um acidente que um amigo sofreu dentro da van, estávamos indo para casa quando ele começou a encostar-se à porta da van que nos levava para o bairro, a porta acabou cedendo e ele caiu no asfalto, bateu a...
tracking img