Juros altos no plano real

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2421 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
MBA CONTROLADORIA E FINANÇAS
















Renata Ferreira Da Silva RA 0170016
Ricardo Bittencourt RA 0723443
Rodolfo Gaboardi RA 483129




SÃO PAULO
2012













































Pesquisa apresentada ao Curso de MBA Controladoria e Finanças da Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU sob orientaçãodo Professor MS. Laert Costa Lima Filho.






































Esse trabalho tem como ênfase destacar as estratégias que o governo utiliza para resolução de problemas e o controle da inflação brasileira sem prejudicar as exportações.


SUMÁRIO


1. Introdução 4
2. A evolução da taxa SELIC a partir da implantação do regime de metas deinflação. 4
3. Comparativo Selic, Inflação, Desemprego 6
4. Evolução do PIB 7
5. O Banco Central no Mercado de Câmbio 7
6. Políticas Econômicas Brasileira 7
6.1 Política Monetária: Aumento das taxas de juros. 7
6.2 Política Fiscal: Diminuição de tributos e/ou aumento de gastos públicos 8
6.3 Política Cambial: Uso das reservas para conter o câmbio 8
7. Conclusão 91. Introdução

O governo tem um dilema atual a resolver, manter a inflação sob controle sem prejudicar o crescimento econômico. Como o país aplica em sua economia o regime de metas de inflação (RMI), e 4,5% o centro da meta. A Política Monetária através da elevação das taxas Selic diminuindo a liquidez é o principal freio para a subida dos preços.
O RMIiniciou-se com a implantação na Nova Zelândia, e foi adotado em alguns países da América Latina a partir de 1990: no Chile, posteriormente México, Brasil e Colômbia, tornando-se uma alternativa ao controle de inflacionário com flexibilidade cambial e mobilidade de capitais.
O RMI no Brasil, desde sua implantação em 1999, com a flexibilização do câmbio tem cumprido seu papel de controlar ainflação, e o governo com uma postura mais ortodoxa leva a economia sem grandes choques, mantendo algumas das variáveis macroeconômicas como PIB, inflação, exportações e desemprego sem oscilações bruscas.
A recomendação do COPOM (Comitê de Política Monetária) é de elevação da taxa Selic, atendendo a esta recomendação vem à tendência a desvalorização do dólar ou a apreciação do real, prejudicando asexportações.
Se o COPOM acompanhar a taxa de juros internacional perderá o controle da inflação? Como contornar esse problema?
Definiremos após a apresentação de séries históricas do modelo atual brasileiro demonstrando o acerto na condução das políticas econômicas.
Finalizando uma crítica ao governo com o tamanho da Selic, que há tempos a inflação tem um índice controlado e os juros não caem aponto de alavancar um maior crescimento econômico.

2. A evolução da taxa SELIC a partir da implantação do regime de metas de inflação.




Fonte: Ipeadata

No gráfico 1, é demonstrada a política ativa na economia, as áreas circuladas indicam que variação da SELIC implicando na variação mais imediata e contraria do IPCA, ou a reboque das expectativas, que indicam variações posteriores, comouma resposta da Selic a tendência de aumento do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Estes resultados também demonstram que a transição de uma política econômica, que em 1998 era adotado o regime de câmbio fixo, os juros eram altos e o cenário era de moeda valorizada e equivalente ao dólar elevando a entrada de produtos importados acirrando a concorrência com os produtosnacionais pressionando os níveis de preços para baixo, retendo o crescimento econômico.
Como nos anos de 1997 e 1998 as crises asiáticas e da moratória russa geraram crise de confiança, os países emergentes sofreram com a fuga de capitais. Em 1999 o BACEN recorreu ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e as pressões sobre as reservas cambiais culminaram no abandono do cambio fixo para a política de...
tracking img