Filosofia e mito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1656 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 A FILOSOFIA E O MITO 4
2.1 MITOS DA ANTIGUIDADE 4
2,2 MITOS X FILOSOFIA ............................................................................................5
3 CONCLUSÃO ..........................................................................................................7

REFERÊNCIAS 8

INTRODUÇÃO

O mito expressa omundo e a realidade humana, mas cuja essência é efetivamente uma representação coletiva, que chegou até nós através de várias gerações. E, na medida em que pretende explicar o mundo e o homem, isto é, a complexidade do real, o mito não pode ser lógico: ao contrário, é ilógico e irracional. Abre-se como uma janela a todos os ventos; presta-se a todas as interpretações. Decifrar o mito é, pois,decifrar-se. E, como afirma Roland Barthes, o mito não pode, conseqüentemente, "ser um objeto, um conceito ou uma idéia: ele é um modo de significação, uma forma". Assim, não se há de definir o mito "pelo objeto de sua mensagem, mas pelo modo como a profere". O mito se apresenta como uma verdade que não precisa ser provada e que não adimite contestação. A sua aceitação decorre da fé e da crença. Não éuma aceitação racional, fundamentada em provas nem em raciocíneos.
O autor Roland Barthes, procurou reduzir, embora significativamente, o conceito de mito, apresentando-o como qualquer forma substituível de uma verdade. Uma verdade que esconde outra verdade. Talvez fosse mais exato defini-lo como uma verdade profunda de nossa mente. É que poucos se dão ao trabalho de verificar averdade que existe no mito, buscando apenas a ilusão que o mesmo contém. Muitos vêem no mito tão-somente os significantes, isto é, a parte concreta do signo. É mister ir além das aparências e buscar-lhe os significados, quer dizer, a parte abstrata, o sentido profundo.
Talvez se pudesse definir mito, dentro do conceito de Carl Gustav Jung, como a conscientização de arquétipos doinconsciente coletivo, quer dizer, um elo entre o consciente e o inconsciente coletivo, bem como as formas através das quais o inconsciente se manifesta. Em síntese, os mitos são a linguagem imagística dos princípios. "Traduzem" a origem de uma instituição, de um hábito, a lógica de uma gesta, a economia de um encontro.

A filosofia e o mito

A Filosofia é o estudo de problemasfundamentais relacionados à existência, ao conhecimento, à verdade, aos valores morais e estéticos, à mente e à linguagem. Ao abordar esses problemas, a filosofia se distingue da mitologia e da religião por sua ênfase em argumentos racionais; por outro lado, diferencia-se das pesquisas científicas por geralmente não recorrer a procedimentos empíricos em suas investigações. Entre seus métodos, estão aargumentação lógica, a análise conceptual, as experiências de pensamento. A filosofia, percebendo as contradições e limitações dos mitos, foi reformulando e racionalizando as narrativas míticas, transformando-as numa outra coisa, numa explicação inteiramente nova e diferente. Ela nasceu realizando uma transformação gradual sobre os antigos mitos gregos.

Acredito que os filósofosvoam como as águias e não como pássaros pretos. É bem verdade que as águias, por serem raras, oferecem pouca chance de serem vistas e muito menos de serem ouvidas, e os pássaros pretos, que voam em bando, param em todos os cantos enchendo o céu de gritos e rumores, tirando o sossego do mundo. (GALILEU GALILEI).

1 mitos da antiguidade

Por considerar a raça humana perdida e cheiade defeitos, Zeus, o soberano dos deuses, resolveu acabar com ela. Para isso, provocou um dilúvio no mundo para afogar a humanidade. Escolheu apenas o casal Deucalião e Pirra para serem poupados, em virtude de sua bondade. Zeus os aconselhou a construírem uma arca e se abrigarem nela. Depois de flutuar nove dias e nove noites, sobre as águas da tormenta, a arca parou no topo de uma montanha,...
tracking img