Ensaio sobre o artigo o cooperativismo: uma breve reflexão teórica de luciano de souza costa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1310 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Ensaio sobre os artigos relacionados ao cooperativismo
Luiz Eduardo Kuhn
Ricardo Guzzoni
Fabio Matoso
Silas
Murilo Kapp

Segundo o artigo O COOPERATIVISMO: UMA BREVE REFLEXÃO TEÓRICA de Luciano de Souza Costa, o cooperativismo é dificilmente entendido principalmente pelos economistas, fato decorrente de os mesmos só olham as cooperativas e o cooperativismo sob um olhar das empresasprivadas ou aspectos doutrinários, românticos e utópicos.
Costa traz em seu artigo diversos argumentos sobre a relação do surgimento dos princípios cooperativistas no decorrer da historia humana, porém o mesmo só pode ser entendido propriamente como cooperativismo e final do século XVIII e início do século XIX devido ao capitalismo concorrencial empregado na época.
O artigo traz também o caso daCooperativa de consumo do “Pobros Pioneiros de Rochdale”, constituída em 21 de dezembro de 1844 na cidade de Rochdale. Esta cooperativa foi fruto da iniciativa de 28 operários do setor têxtil, que buscavam melhorar suas vidas, no entanto em dez anos atingiu um número de 5.300 associados, servindo de exemplo para as diversas cooperativas que estavam surgindo na época e expandindo seus valores(solidariedade, igualdade, fraternidade, democracia, equidade, responsabilidade social, transparência) e os princípios (adesão livre e voluntária, controle democrático pelos sócios, participação econômica dos sócios, autonomia e independência, educação, treinamento e informação, cooperação entre cooperativas, preocupação com a comunidade).
Segundo Charles Gide Para se chegar à “República Cooperativa”dever-se-ia inicialmente implantar as cooperativas de consumo, depois as de produção industrial e, finalmente, as de produção agrícola. Este programa com base nos consumidores transformaria a sociedade, eliminaria os conflitos e as injustiças sociais, numa solução pacífica sem expropriação.
Assim, segundo Silva Filho (2001), o desenvolvimento do cooperativismo e o surgimento de cooperativas pelomundo se devem ao êxito da cooperativa de “Rochdale”.
Os princípios de “Rochdale”, que podem ser sintetizados em duas leis; a Lei da Extensibilidade Indefinida – que permite adesão voluntária de qualquer pessoa que queira se integrar - e a Lei da Adaptação ao Progresso Econômico - que permite a ncorporação de atividades que estejam na vanguarda do desenvolvimento econômico.
Segundo Pinho (1982,p.65), o movimento tendeu ao desvirtuamento em decorrência dos problemas resultantes da própria evolução da cooperativa, que deixou de ser uma simples associação mutualista para se transformar em complexa organização social. Sendo assim, a o espírito cooperativista está, portanto, o movimento esta cada vez mais longe de suas raízes, dando margem, assim, para que existam inúmeras confusões, seja acercado que realmente é, seja acerca do que pode se fazer, gerando assim cooperativas de fachada, pois estas se comportam como empresas privadas.
Já o artigo Cooperativismo e sindicatos no Brasil de Paul Singer mostra um pouco mais sobre a realidade vivida nos primórdios do surgimento das cooperativas, e suas lutas contra o capitalismo imposto pelas grandes indústrias que estavam surgindo na época.Apresenta também as ideias de Robert Owen, um dos pais do socialismo, começou a pregar que a indústria em si é benéfica, ao baratear os bens de consumo, mas que ela deveria ser colocada sob o controle dos trabalhadores e que os resultados do trabalho em comum deveriam ser repartidos equanimemente. Ele propunha que ao redor das fábricas se formassem aldeias cooperativas, em que os meios de produçãoseriam possuídos e geridos coletivamente.
Owen influenciou o pensamento sindicalista convencendo os empregados a fazerem greves em prol de melhores condições de trabalho, porem os capitalistas da época responderam de forma drástica, expulsando os owenistas das fabricas e colocando-os em listas negras para que os mesmos não pudessem mais trabalhar. Também faziam seus funcionários assinarem...
tracking img