Em defesa do adventismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 189 (47116 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Em Defesa do Adventismo

1

Em Defesa do Adventismo

PREFÁCIO
Os Adventistas do 7° Dia são, por definição, um povo para quem a verdade é muito importante. São um povo que voltou as costas aos prazeres, as vantagens e, muitas vezes, ao sucesso deste mundo, escolhendo, tal como Moises, sofrer com o povo de Deus porque a verdade superou as vantagens terrenas na escala dos seus julgamentos devalor. Não será razoável, portanto, esperar que os Adventistas do 7° Dia não se preocupem com os ataques que minam a verdade pela qual tanto se sacrificaram. São membros de uma igreja que surgiu porque existiram homens e mulheres, os nossos pioneiros, para quem a verdade de Deus era a Pérola de Grande Preço, mais preciosa do que a própria vida. Conhecer a verdade em toda a sua pureza epartilha-1a com os outros era a paixão das suas vidas. Por estas razões os autores deste livro, Drs. Russel e Colin Standish, deverão ser vistos como estando em linha direta com o verdadeiro espírito do Adventismo, pois tem firmemente resistido a toda e qualquer adulterarão da preciosa verdade no nosso tempo. Conhecem intimamente os atuais problemas teológicos que tem cercado a igreja desde o seu inicio,até aos nossos dias. São devotados servos da igreja e tem uma percepção viva sobre a missão especial atribuída a Igreja Adventista do 7° Dia para um mundo moribundo. Deverá o archote (tocha) da verdade, que tem sido transportado com tanto esforço e que passou para as nossas mãos com tais custos para os que o levaram antes de nós, ser extinto por causa da nossa indiferença e descuido? A resposta é umenfático "não". Que o seu desafio possa imprimir uma resposta positiva nos corações de todos os que amam Aquele que disse: "Eu sou a verdade". Ralph Larson, Ph. D. Seminário de Teologia Adventista do 7° Dia Filipinas, 8 Abril 1980

2

Em Defesa do Adventismo

VINTE ANOS MAIS TARDE
Passaram-se quase duas décadas desde que preparamos o manuscrito para este livro. Os anos 70, quando estelivro foi coligido(1), foram um tempos controverso para a Igreja Adventista do 7° Dia. Tratou-se de um tempo em que uma igreja confusa e irresoluta(2) se deixou envolver por uma nova teologia. Havia muitos a reagir contra os princípios legalistas e, assim, esta nova teologia encontrou um terreno fértil nos seus corações e vidas. Tragicamente, muitos dos que se depararam com a impotência do legalismo,foram levados a aceitar uma teologia baseada no antinomianismo(3) - uma teologia falsa que declara que não existem condições divinas para a salvação. Esta falsidade leva a crença de que não existem condições para a existência de um cristão vitorioso vivo e que possa ser salvo. Concebeu, ainda, o conceito de que a santificação não tem qualquer intervenção direta na qualificação de homens e mulherespara a salvação. Mas esta nova teologia era tão mortal para a salvação como o tinha sido o legalismo e miríades de pessoas foram apanhadas nas suas garras. Este livro foi lido por milhares de Adventistas do 7° Dia e provou ser uma grande benção para muitos dos que eram dirigidos por esta doutrina nefasta(4) e que tão habilmente foi apresentada nesse tempo. Mas nos anos que se seguiram, Satanásapurou este seu engano. E de todas às vezes, mais pessoas eram arrastadas para a sua rede. Este livro é agora mais relevante do que quando foi escrito pela primeira vez. Por isso, decidimos não alterar o seu conteúdo, pois tal conteúdo responde aos desafios lançados pelos escritos do Pastor Jack Sequeira em livros como: A Dinâmica do Evangelho Eterno e Para Além da Crença. Estes desafios foramlançados à preciosa mensagem de Cristo, Justiça nossa, e foram apresentados em mensagens dadas em 1888 na Conferência Geral de Minneapolis. Estas mensagens serviriam para nos proteger, por um lado, do legalismo e, por outro, do antinomianismo. Infelizmente, as mensagens apresentadas por Jack Sequeira e pelo Comitê de Estudos de 1888, apesar de serem bem intencionadas, não representavam as mensagens...
tracking img