Economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2461 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de agosto de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A Estrutura da Economia Colonial Brasileira
A princípio é importante estabelecermos que a economia colonial foi um reflexo da política metropolitana que estabelecia a produção de caráter mercantil, ou seja, a produção em larga escala de produtos com alta demanda no mercado externo. A estrutura econômica implementada no Brasil dependia fortemente das flutuações conjunturais dos produtos deexportação e uma de suas funções era gerar excedentes transferíveis para a metrópole. Outro fator relevante é a dependência externa não só relativa a demanda dos mercados, mas também ao financiamento das atividades internas e de exportação, ao controle dos circuitos comerciais e até mesmo como produtor colonial (via arrendamento de atividades).

O setor econômico mais dinâmico, doperíodo colonial ao fim da monarquia, era a produção voltada para a exportação. Esta estrutura estava alicerçada no sistema de plantation: latifúndio, monocultura, trabalho escravo e com a produção voltada para o exterior.

Apesar de dinâmico e de certa forma predominante no setor de exportação, o sistema de plantation coexistia com uma miríade de pequenas e médias propriedades que tantoproduziam para exportação quanto para abastecer o mercado interno, com formas variadas de remuneração, trabalho e produtos.

O mercado interno colonial, ainda que mal integrado, era muito expressivo e permitiu processos de acumulação interna de capital a fim de financiar os setores agroexportadores e a instalação de manufaturas simples e complexas voltadas para o atendimento de determinadasdemandas internas.

Resumindo, a economia colonial era muito complexa e variada, a saber:

- compreendia a existência de pequenas e médias propriedades com produção voltada tanto para o mercado interno quanto externo;

- existia um grande número de manufaturas simples (tecidos para escravos, produção de cordas, móveis, produtos alimentícios etc.) quanto mais complexos quantoum engenho de açúcar ou estaleiros de reparos e/ou construção de embarcações de pequeno e médio porte;

- várias formas de remuneração do trabalho que não só o escravo e o trabalho compulsório dos indígenas;

- ainda que houvesse o predomínio de um determinado produto (açúcar, ouro ou café) a pauta de exportações era variada (minerais, tabaco, algodão etc.). Tais produtos estãopresentes ainda hoje na exportação brasileira;

- a mineração (auge no século XVIII e ainda relevante com outros minérios que não só ouro e pedras preciosas) estimulou e consolidou a ocupação do interior da colônia, levou a uma estruturação do Estado e dinamizou o mercado interno;

- havia um crescente e dinâmico mercado interno, no entanto, pouco integrado;

- grandesdisparidades regionais e de renda:

- uma pequena parcela da população concentrava o controle da propriedade e dos meios de produção;

- escassez de capital;

A Estrutura da Economia do Brasil Imperial
Prof. Ricardo Cabral
A economia brasileira durante o período inicial da monarquia estava em crise devido a queda de preço e das exportações dos principais produtos de exportação, asdívidas de Portugal assumidas por ocasião da independência e dos empréstimos realizados para constituir um exército, uma armada e uma estrutura burocrática mínima levaram ao surgimento de uma dívida externa e de dificuldades no balanço de pagamentos. Veremos agora um breve balanço do período:
- a situação da balança de pagamentos só se equilibrou após com as crescentes exportações de café;
-esforços no sentido de diversificar as exportações (algodão, borracha, cacau etc.);
- adoção de medidas tarifárias a fim de controlar as importações;
- modernização da infra-estrutura: ferrovias e portos (buscavam integrar as regiões produtoras dos artigos de exportação aos portos);
- processo de urbanização;
- lenta transição da produção baseada na mão-de-obra escrava para o trabalho...
tracking img