Desigualdades sociais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1508 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Sabe-se que a desigualdade social pode ser entendida como uma questão de injusta distribuição de renda entre as classes, ou seja, poucos com muito e muitos sem nada ou quase nada. No Brasil, a questão da desigualdade está muito presente, visto que, baseado em pesquisas, nosso país detém um índice muito elevado de pobreza. Vivenciamos todos os dias essa situação aviltante nas ruas,nos jornais, por toda a parte se tem notícia de pessoas vivendo em condições de miserabilidade, subnutridas, e sem qualquer tipo de assistência, ao passo que outros esbanjam luxo, com suas manções, carros importados e salários de bilhões de dólares. E importante ressaltar também que não é unicamente em países subdesenvolvidos como o Brasil que estão presentes as desigualdades, nos países ricospôde ser constatado que muitas pessoas vivem em situação de pobreza extrema, concluindo-se assim que ter uma situação econômica elevada não significa fazer um uso efetivo das políticas públicas.


AS DESIGUALDADES SOCIAIS NO BRASIL


As desigualdades sociais não começaram a existir agora, ela são as conseqüências de um grande processo histórico diretamente ligado àconsolidação do sistema econômico vigente, o sistema capitalista, uma vez que é próprio do capitalismo dividir desigualmente, marginalizar e excluir.


A formação e o desenvolvimento capitalista sempre se fizeram por meio da divisão social, mantendo permanentemente uma parte - variável na sua dimensão e na sua composição – da força de trabalho como potencial, colocada, portanto, àmargem do sistema produtivo. (Gentili, Pablo. 2000)




E no Brasil, apesar de tardiamente, não foi de outro modo, tais desigualdades foram geradas por haver uma maior preocupação com o crescimento econômico, deixando de lado muitas vezes as políticas sociais e o desenvolvimento humano. Preocupa-se mais em acumular riquezas, tornar a economia mais forte diante do cenário mundialque melhorar as condições de vida da sua população, e sendo assim, por mais que o país se esforce e consiga ascender um pouco mais economicamente ele só é conhecido lá fora por suas altas taxas de desigualdade e pobreza.


Logo, é possível constatar que melhorias econômicas para um país não que dizer que a população deste viverá melhor, ao contrário, quanto mais se lucra eacumula milhares de pessoas continuam sendo excluídas e colocadas à margem dessa sociedade sem qualquer tipo de oportunidade.


A partir de uma pesquisa apresentada pelo IBGE sobre segurança alimentar realizada em convênio com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome – MDS – será possível descrever um pouco sobre o quadro geral das desigualdades sociais no Brasil.Por meio de comparações feitas à cerca da prevalência de segurança e insegurança alimentar, foi possível confirmar as desigualdades entre as cinco regiões brasileiras e concluir que a insegurança alimentar teve maiores prevalências no nordeste e no norte do país.


A pesquisa observou também que em domicílios em que residiam somente adultos a prevalência de segurançaalimentar foi maior, ou seja, as maiores taxas de insegurança estavam presentes em domicílios onde residiam crianças, cerca de 17% das crianças com menos de cinco anos de idade na região norte e nordeste viviam em domicílios com insegurança alimentar grave.


Em relação aos domicílios onde a pessoa de referência era do sexo feminino percebeu-se que era menor a segurança alimentar.Nestes domicílios, a prevalência de segurança alimentar foi de 60,6% quando a pessoa de referência era do sexo masculino e de 49% quando do sexo feminino.


A insegurança alimentar foi maior entre pretos e pardos. As diferenças na produção de insuficiência alimentar grave relacionada à cor ou raça na população do Brasil se reproduziram em todas as unidades da federação, sendo de...
tracking img