Conflito entre padres jesuitas e colonos paulistas

“Conflito entre os Colonos da Capitania de São Vicente e a Companhia de Jesus, no período de 1611 a 1640”
Miguel Luciano Bispo dos Santos[1]
Graduando - UGF

RESUMO: O objetivo desteartigo é analisar a natureza do conflito entre os padres inacianos e os colonos paulista na Capitania de São Vicente, no período compreendido entre 1611 a 1640. A essência desse embate estava nadivergência entre colonos e os padres inacianos sobre a administração da mão-de-obra indígena. Nesse sentido, analisarei a questão da importância do trabalho indígena na Capitania de São Vicente e ascausas que levaram a expulsão dos padres jesuítas por 13 anos da referida Capitania, apontando que e o Breve do Papa Urbano VIII, Commissum Nobis de 1639, sobre a “Liberdade dos Índios da América” só foiestopim do confronto direto entre colonos e jesuítas e não a única causa deste conflito.
Palavras Chaves: Jesuítas, Conflito, Brasil Colônia, Escravidão Indígena

Introdução
A questão daescravidão indígena foi um dos pontos de maior tensão durante o período colonial no Brasil e envolveu os diferentes setores dessa nascente sociedade: os moradores, os jesuítas, os funcionários régios naColônia, a Coroa, e, obviamente, os próprios indígenas.
Em São Paulo colonial, essa questão da escravidão indígena foi mais intensa e conflituosa, pois a base da agricultura comercial estavaligada a mão-de-obra escrava indígena, assim como sua sociedade e cultura. “A especificidade do planalto paulista residiu na instalação de um sistema produtivo que, para ser realizado, demandou uma lutapolítica e jurídica para garantir estruturas legais mínimas que fundamentassem o regime compulsório do trabalho.”(FREITAS, 2006, p.1)
Em suma, a expulsão dos jesuítas foi provocada pela forteoposição que esses padres faziam à escravização dos índios. Essa oposição foi acirrada pelo Breve de Urbano VIII, de 22 de abril de 1639, que proibia o cativeiro dos índios. Embora essa abordagem...
tracking img