Auditoria interna

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2628 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1. Introdução


A perplexidade dos usuários de informações diante do volume e diversificação das transações económicas, exige cada vez mais, a necessidade de transparência nos negócios. No decorrer da evolução económica, a auditoria foi a ferramenta utilizada para atender estas demandas. Recentemente, varios principios e normas tem vindo a ser aprovados internacionalmente, dentre os quaisfalaremos especificamente da Independencia e da Competencia Profissional e devido Zelo.


O presente artigo pretende demonstrar qual a importânçia do cumprimento destes dois principios e fundamentalmente, as causas que muitas vezes levam os auditores “pouco profissionais” a não cumpri-los. Ressalte-se que esta importância se eleva quando o campo de actuação é a área governamental, dadas asespecificidades e peculiaridades inerentes ao sector.


Note-se tambem que, a percepção do público sobre a credibilidade do papel do auditor independente é um assunto de preocupação para os reguladores e para profissão, pois a falta de confiança do público poderia comprometer a objectividade e a independência do profissional, que devem ser os pontos chaves da profissão.


Assimsendo,passemos agora, nas páginas asseguir, para o que realmente interessa, que são os aspectos que possam por em causa a opinião do auditor caso nao sejam observados os principios supra citados.


















































2. Princínpios de Comtabilidade Geralmente Aceites (PCGA’s)

Os princípios de contabilidade geralmenteaceites e as Normas Internacionais de Comtabilidade (NIC’s) são, em regra geral, adotados como guias no relacionado à contabilidade, aprovados como prevalecentes, ou seja, nós também poderíamos os considerar como leis ou verdades fundamentais aprovadas pela profissão de contablidade.

Sendo a profissão de auditor marcada pelo traço da responsabilidade pública e social, elementos tais como,ética e moral são essenciais ao profissional, até mesmo como fator de permanência no mercado. Em resumo:
Ética – é o estudo de juízos de apreciação referente à conduta humana do ponto de vista do bem e do mal.


Eis então alguns dos Princípios de Comtabilidade Geralmente Aceites (PCGA’s) a seguir:
- Independência profissional;
- Independência de atitudes e de decisões;
-Intransferibilidade de funções;
- Eficiência técnica;
- Integridade;
- Sigilo e discrição;
- Imparcialidade;
- Lealdade de classe; e
- Competencia.


Estes principios devem ser seguidos a risca para que a opinião do auditor possa ser credível.


3. Opinião do Auditor


3.1 Estrutura Padraão do Parecer dos Auditores


O parecer emitido pelo auditor indepentente, compõe-se, basicamentede três paragrafos:

a) O referente á identifição das demonstrações financeiras e a definição das responsabilidades da administrção e dos auditores;


b) O relativo á extensão dos trabalhadores;e


c) O que expressa a opinião sobre as demonstrções contábeis.




Para que este parecer de facto corresponda a verdade há que obedecer a independencia do auditor





4.Independência


Deveria exigir-se que os auditores das sociedades anônimas de capital aberto tivessem independência das sociedades auditadas. A condição de independência deve cumprir-se tanto de fato como de aparência, devendo ser observada e mantida constantemente.


A independência, atributo requerido, inclusive por normas, é exigida, não só de fato, como também, em termos deatitude mental. Esta, decorre naturalmente da competência técnica e é pressuposto da conduta ética.
Os auditores têm que ser, e se sentir livres de tendência e conflito de interesse, independentes em pleno.


A independência do auditor é essencial para proporcionar uma revisão objetiva e imparcial das ações da administração através das demonstrações financeiras. A opinião do auditor sobre os...
tracking img