Atps libras

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1802 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]





PEDAGOGIA
LIBRAS








ALUNAS: Ana Lucia Valderramas Encinas
RA: 5776163496
Sueli Regina Valderramas Encinas Santos
RA: 5776163501
Ariane Maria Ortenzi de Lima Monteiro
RA: 6350196019
Naiara Machado Hastenreiter Bijos de Lima
RA: 6324194607








LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NAPRÁTICA DOCENTE






Série: 1º Ano
BAURU/2012
ETAPA 1

Deficiência auditiva também conhecida como hipoacusia ou surdez é a perda parcial ou total da audição que pode ser de origem congênita (já nasceu surdo, fase pré lingual) ou adquirida (pré ou pós lingual). Difere de outras deficiências, suas causas podem ser:
• pre natais - herança genética, toxoplasmose e rubéola;• peri- natais – anóxia, traumatismos;
• pós natais – infecções, febres, caxumbas, meningites, otites, intoxicações, traumatismo por acidentes e perda por ruídos.
A surdez não é vista pelas pessoas com a atenção e apoio necessário, talvez por ser do ponto de vista estético quase que imperceptível. Sendo assim o deficiente auditivo acaba que se isolando e tendo sua próprialinguagem que é a linguagem Brasileira de Sinais. A identidade de uma pessoa surda é constituída a partir da perspectiva do sujeito ouvinte, pois a sociedade como um todo o vê como diferente achando que de certa forma ele seja deficiente e incapaz. A lei 10.436 de 24 de abril de 2002 regulariza e reconhece a língua brasileira de sinais (libras) como sendo a forma de comunicação e expressão e deveser garantida por parte do poder público, em geral como meio de comunicação objetiva e de utilização das comunidades surdas do Brasil. A libra é considerada língua porque é composta pelos níveis linguísticos fonológico, morfológico, sintático e semântico.
A deficiência auditiva se divide em quatro tipos: leve (até 40 decibéis), moderada (40 a 70 decibéis), severa (70 a 90 decibéis) eprofunda (acima de 90 decibéis). A leve não interfere no desenvolvimento e não é necessário o uso de aparelho auditivo, desde que não progrida. A moderada pode atrapalhar na fala e linguagem, mas não impede que o indivíduo fale. A severa interfere na fala e linguagem, mas poderá através do aparelho auditivo ouvir e assim desenvolver a fala e a linguagem, e a perda auditiva profunda que sem intervenção,a fala e a linguagem raramente ocorrerão.
Existem os surdos oralizados que se comunicam usando a língua oral ou escrita, os surdos sinalizados que se comunicam usando alguma forma de linguagem gestual e ainda os surdos bilíngues que usam as duas formas de comunicação. Ser bilíngue não é apenas conhecer palavras, estruturas e frases, é também conhecer as significações sociais e culturaisdas comunicações linguísticos de que se faz parte. Isso só é possível se tiver a convivência de fato com grupos que usam a língua de sinais. A língua de sinais é a 1º língua do surdo, é a sua língua de identificação, instrução e comunicação e a língua portuguesa de forma escrita seria sua 2º língua, é a que se dá acesso à informação, conhecimento e cultura na sociedade em que se vive.
Desdeo nascimento a criança que ouve tem a oportunidade de conviver com a língua utilizada por sua família. O interlocutor adulto atua para que a linguagem da criança flua, favorecendo o aprendizado e a identificação de aspectos importantes da língua que a criança ao longo de seu desenvolvimento irá se apropriar. A criança surda por sua vez não tem a possibilidade desse aprendizado porque na maioriadas vezes não tem acesso a língua utilizada por seus pais (ouvintes).
Para a criança surda, assim como para a ouvinte, o pleno desenvolvimento das suas capacidades linguísticas, emocionais e sociais é uma condição imprescindível para o seu desenvolvimento como pessoa. A educação da criança surda é um direito, faz parte da sua condição como ser humano.
Visto que a línguas de...
tracking img