Analise do cordel: a seca no ceará do autor leandro gomes de barros

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (611 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNEB-UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

DCH-DEPARTAMENTO DE CIENCIAS HUMANAS- CAMPUS VI

COLEGIADO DE HISTORIA-VII SEMESTRE

DISCIPLINA-LABORATORIO DE ENSINO DE HISTORIA VIIDOCENTE-JOSIVALDO PIRES DE LIMA (BEL)

DISCENTE-FÁBIO DA SILVA CORREIA

Analise do cordel: a seca no Ceará do autor Leandro Gomes de Barros




O cordel a seca no Ceará deLeandro Gomes de Barros relata a difícil situação nordestina frente a um problema natural agravado pelas relações sociais. O autor escreveu numa época marcada pelos movimentos migratórios ocorridos comoconseqüência desse problema no nordeste no final do século XIX e inicio do século XX. Leandro Gomes, sendo nordestino, percebeu a delicada condição do homem sertanejo castigado pelo flagelo da seca,demonstrando para isso, com muitos detalhes, os efeitos dela sobre a natureza e o homem.
Como todo cordel organizado há a associação entre fatos históricos e liberdade de visão do autor:É precisamente dessa associação entre fatos históricos e liberdade de invenção que o poeta obtém a flexibilidade da narração e a oportunidade de criar arte com seus próprios talentos. Esta é,pois, uma segunda característica da crônica cordeliana; a mistura de fato e ficção. ( Curran, 1998, p.31)
Nesse cordel a fome entra como tema central e, as secas como grandes acontecimentoshistóricos que tem a capacidade de mobilizar a população mais que qualquer outro acontecimento narrado na historiografia nacional até aquele momento (Sem querer cometer qualquer analogia ou, mesmo afazendo somente para demonstrar metaforicamente a dimensão dos atos ocorridos.) sobre a vida do povo sertanejo em comum.
No inicio o cordelista mostra as conseqüências políticas da seca sobre aeconomia e as bases e sustento do sertanejo que se baseia na agricultura e na pecuária: “Seca as terras as folhas caem, morre o gado. (Gomes, v. 1) diante da impossibilidade de se alimentar só resta um...
tracking img