Alternativas para a crise atual por meio das teorias keynesiana e liberal de economia.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1718 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Título: Alternativas para a crise atual por meio das teorias Keynesiana e Liberal de economia. |
Aluno: Julieta Baccetti Labate Beloto Gonçalves |
Disciplina: Fundamentos da Economia |
Introdução Em meados do século XVIII surgiu a primeira escola de pensamento econômico com Adam Smith, a Escola Clássica, e desde então outras se seguiram demonstrando as mudanças que foram ocorrendo noâmbito político, social e consequentemente econômico.As alterações no panorama mundial ao longo do tempo acarretaram ainda em crises econômicas que forçaram a mudanças nas políticas empregadas, como foi o caso da crise de 1929 e o surgimento da Teoria Keynesiana.Pode-se notar que o ambiente de cada época influenciou em muito o surgimento de novas teorias a fim de corrigir padrões, melhorar situaçõesexistentes ou sair de uma crise. Cabe então entender o momento político-econômico para compreender as teorias econômicas insurgentes.Por outro lado, as teorias já existentes poderiam ser aplicadas em momentos históricos semelhante, porém em épocas distintas, como é o caso da crise atual. |
Características principais da Escola ClássicaA Escola Clássica de Economia tem início com a publicação daRiqueza das Nações de Adam Smith em 1776 na Inglaterra e segue com seus adeptos e discípulos: David Ricardo, Thomas Malthus e Stuart Mills. Ela surge a partir de grandes mudanças no cenário social. Na Inglaterra a industrialização, levando ao êxodo rural e formação de uma sociedade de massa. Por outro lado a burguesia fazendo uma revolução e buscando uma nova ordem política. As ideias Iluministas daépoca, contrárias à vida centrada nas crenças religiosas e vendo no racionalismo a única fonte de conhecimento, não aceitavam mais o absolutismo e o protecionismo mercantil.É nesse contexto que surge a Escola Clássica Econômica defendendo o liberalismo econômico e o individualismo, a flexibilidade da força de trabalho. Fazia críticas à ação do Estado nas negociações, a política econômicamercantilista e ao nacionalismo exacerbado.Se preocupava em distribuir renda entre as classes para promover o crescimento a longo prazo, postulando que o crescimento se dava pelo acúmulo de capital.Para Adam Smith a divisão do trabalho era essencial para o crescimento da produção e do mercado. Acreditava que a livre concorrência forçava o empresário a ampliar a produção resultando em desenvolvimento. Crioua Teoria da Mão Invisível onde afirma que ao perseguir seu objetivo individual o homem acaba beneficiando a sociedade como um todo, não havendo necessidade de fixação de preços pois a mão invisível corrigiria a inflação através de um reequilíbrio entre oferta e procura.Ao Estado caberia emitir papel moeda, controlar a taxa de juros, proteger a propriedade privada, patrocinar a defesa nacional egarantir a livre concorrência entre as empresas. Ou seja, fim da política onde o Estado exercia forte controle sobre a indústria e o comércio, fim das barreiras comerciais internas e externas. A riqueza e o poder nacional não deveriam basear-se no estoque de metais preciosos.David Ricardo sintetizou, formalizou e desenvolveu algumas ideias de Adam Smith. Postulava que o valor de um produto eradeterminado pela quantidade de trabalho nele empregado, tanto do homem quanto da máquina. Desenvolveu a Teoria do Valor do Trabalho onde o preço da força é equivalente ao mínimo necessário à subsistência do trabalhador. A riqueza era entendida como os bens que a pessoa possui e o valor a quantidade de trabalho necessária à produção do bem.Já Thomas Malthus, com uma visão pessimista, pregava que anatureza impunha limites ao progresso material. Previa uma grande diferença entre o crescimento populacional, geométrico, e o crescimento da produção de alimentos, aritmético, o que levaria a fome e miséria no futuro. Era a favor do protecionismo e acreditava que o Estado deveria prover as necessidades vitais à população - Lei dos Pobres.Afirmava que a superprodução poderia ser resolvida por...
tracking img