vida para consumo

Páginas: 6 (1339 palavras) Publicado: 16 de setembro de 2013
Vida para consumo – Zygmunt Bauman
A “subjetividade” dos consumidores é feita de opções de compra – opções
assumidas pelo sujeito e seus potenciais compradores; sua descrição adquire a
forma de uma lista de compras. O que se supõe ser a materialização da
verdade interior do self é uma idealização dos traços materiais – “objetificados”
das escolhas do consumidor.
Pode se dizer que o“consumismo” é um tipo de arranjo social resultante da
reciclagem de vontades, desejos e anseios humano rotineiros, permanentes e,
por assim dizer, ”neutros quanto ao regime” transformando-os na principal força
propulsora e operativa da sociedade, uma força que coordena a reprodução
sistêmica, a integração e a estratificação sociais, além da formação de
indivíduos humanos,desempenhando ao mesmo tempoum papel nos
processos de auto-identificação individual e do grupo, assim como na seleção
de execução de políticas de vida individuais. O “consumismo” chega quando o
consumo assume o papel-chave que na sociedade dos produtores era exercido
pelo trabalho.
Stephen Bertman cunhou os termos “cultura agorista” e “cultura apressada”
para denotar a maneira como vivemos em nosso tipo de sociedade.Podemos
dizer que o consumismo líquido-moderno é notável, mais que por qualquer
outra coisa, pela (até agora singular) renegociação do significado do tempo.
Tal como experimentado por seus membros, o tempo na sociedade moderna
não é cíclico nem linear como costumava ser para os membros de outras
sociedades. Em vez disso para usar a metáfora de Michael Maffesoli, ele é
“pontilhista”, um tempopontuado, marcado (senão mais) pela profusão de
rupturas e descontinuidades,…A vida, seja individual ou social, não passa de
uma sucessão de presentes, uma coleção de momentos experimentados em
intensidades variadas.
A vida „agorista” tende a ser “apressada”. A oportunidade que cada ponto pode
conter vai segui-lo até o túmulo; para aquela oportunidade não haverá
“segunda chance”. Cada pontopode ter sido vivido como um começo total e
verdadeiramente novo, mas se não houve um rápido e determindado estímulo
à ação instantânea, a cortina pode ter caído logo após o começo do ato, com
pouca coisa acontecendo no intervalo. A demora é o serial killer das
oportunidades.
Sim, é verdade que na vida “agorista” dos cidadãos da era consumista o motivo
da pressa, é em parte, o impulso deadquirir e juntar. Mas o motivo que torna a
pressa de fato imperativa é a necessidade de descartar e substituir.
Como calculou Ignacio Ramonet, nos últimos 30 anos se produziu mais
informação no mundo do que nos 5.000 anos anteriores: “Um único exemplar
da edição dominical do New York Times contém mais informação do que seria
consumida por uma pessoa culta do século XVIII durante toda a vida.”“Há informação demais por aí”, conclui Eriksen. ” Uma habilidade fundamental
na sociedade da informação consiste em se proteger dos 99,9% de
informações oferecidas que são indesejadas.”
Sugiro que a idéia de “melancolia” representa, em última instância, a aflição
genérica do consumidor ( o Homo eligens, por decreto da sociedade de
consumo); um distúrbio resultante do encontro fatal entre aobrigação e a
compulsão de escolher/ o vício da escolha e a incapacidade de fazer essa
decisão.

Que os seres humanos sempre preferiram a felicidade à infelicidade é uma
observação banal, um pleonasmo, já que o conceito de “felicidade” em seu uso
mais comum diz respeito a estados ou eventos que as pessoas desejam que
aconteçam, enquanto a ” infelicidade” representa estados ou eventos que elasqueiram evitar. Os dois conceitos assinalam a distância entre a realidade tal
como ela é e uma realidade desejada. Por essa razão, quaisquer tentativas de
comparar graus de felicidade experimentados por pessoas que adotam modos
de vida distintos em relação ao ponto-de-vista espacial ou temporal só podem
ser mal-interpretadas e, em última análise, inúteis.
A maior atração de uma vida de...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • vida para consumo
  • Vida de consumo
  • Vida para consumo
  • VIDA PARA CONSUMO
  • VIDA PARA CONSUMO: CONSUMISMO VERSUS CONSUMO
  • Bauman: uma vida para o consumo
  • Vida para consumo
  • Vida para consumo,resenha

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!