Tratamento Esgoto

Páginas: 6 (1458 palavras) Publicado: 20 de outubro de 2014
Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Introdução ao Tratamento e ao Póstratamento de Esgotos

Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental - UFSC

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Usos da Água e Geração de Esgotos
• Abastecimento Doméstico
Água potável



+

Impurezas
devido ao uso

=

Esgotos
domésticos

=

Efluentes
IndustriaisAbastecimento Industrial
Água consumo
industrial

+

Impurezas
devido ao uso

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Principais constituintes dos Esgotos Domésticos
• Água (99,9%)
• Sólidos (0,1%)
– Sólidos Suspensos
– Sólidos Dissolvidos
– Matéria Orgânica
– Nutrientes (N, P)
– Organismos Patogênicos (vírus, bactérias, protozoários,
helmintos)

LODO Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Caracterização Qualitativa dos Esgotos
• Contribuição per capita de matéria orgânica
– 45 a 55 g DBO/hab.dia
– 90 a 110 g DQO/hab.dia

• Conceito de carga orgânica
– CO (kg/d) = P (hab)x QPCDBO,DQO (g/habxd)
– CO (kg/d) = Q x Concentração (mg/L)

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Remoção
de matéria
orgânicaRemoção
de sólidos
em
suspensão

Por que
tratar os
esgotos?

Remoção de
organismos
patogênicos

Remoção
de
nutrientes

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Resolução CONAMA 20/86
Classificação das Águas no Território Brasileiro
Uso

Abastecimento doméstico
Preserv. equil. natural das comun. aquáticas
Proteção das comunidades aquáticas
Recreação de contatoprimário
Irrigação
Criação natural e/ou intensiva de espécies (aquicultura)
Dessedentação de animais
Navegação
Harmonia paisagística
Recreação de contato secundário
Usos menos exigentes

Classe
Especial
X
X

1

Doces
2

Salinas
3

X

X

X

X
X
X
X

X
X
X
X

4

5

6

Salobras
7
8

X
X

X
X

X

X

X
X
X
X
X

X
X
X

X
X
X

Curso sobrePós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Resolução CONAMA 20/86
Padrões do corpo d’água e de lançamento

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Efeito do Lançamento de Matéria Orgânica nos
Cursos d´água
Lançamento (esgoto sem tratamento)
Lançamento (esgoto tratado – 70% remoção)

Rio

O x ig ên io D is so lv id o (m g /L )

10
10
9
8
7
6

OD mínimo (rio Classe2)

5
4
3
2
1
0
0

2

4

6

Tempo (dias)

8

10

12
12

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Resolução CONAMA 20/86
Padrões do corpo d’água – Exemplos de parâmetros
associados a Parâmetro domésticos
esgotos
Categoria
Unidade
Águas doces
Físicos
Biológicos
Químicos
Subst.pot.prejud.

Cor
Turbidez
Sólidos dissolvidos totais
Coliformestotais
Coliformes termotolerantes
DBO5
OD
pH
Amônia não ionizável
Amônia total
Nitrato
Nitrito
Fosfato total

mgPt-Co/l
UNT
mg/l
org/100ml
org/100ml
mg/l
mg/l
mgNH3/l
mgN/l
mgN/l
mgN/l
mgP/l

1
nível natur.
40
500
1000
200
3
6
6,0 a 9,0
0,02
10
1,0
0,025

2
75
100
500
5000
1000
5
5
6,0 a 9,0
0,02
10
1,0
0,025

3
75
100
500
20000
4000
10
46,0 a 9,0
1,0
10
1,0
0,025

4
2
6 a9
-

Curso sobre Pós-tratamento de Efluentes Anaeróbios

Resolução CONAMA 274/2000
Padrões de balneabilidade
Balneabilidade –
categoria
Excelente
Própria

Muito Boa
Satisfatória

Padrões para o corpo d’água
Máximo de 250 CF/100ml 1 ou 200 EC/100ml 3 ou 25 Enterococos/100ml 4 em 80% ou
mais das amostras das cinco semanas anteriores.Máximo de 500 CF/100ml 1 ou 400 EC/100ml 3 ou 50 Enterococos/100ml 4 em 80% ou
mais das amostras das cinco semanas anteriores.
Máximo de 1000 CF/100ml 1 ou 800 EC/100ml 3 ou 100 Enterococos/100ml 4 em 80% ou
mais das amostras das cinco semanas anteriores.
a) Não atendimento aos critérios estabelecidos para as águas próprias.
b) Incidência elevada ou anormal, na região, de enfermidades...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Tratamento de esgoto
  • Tratamento de esgoto
  • Tratamento de Esgotos
  • Tratamento do esgoto
  • tratamento esgoto
  • Tratamento de Esgotos
  • Tratamento de esgoto
  • tratamento de esgoto

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!