resumo de pierre clastres a sociedade contra o estado

Páginas: 9 (2249 palavras) Publicado: 4 de maio de 2015
Título:
Autor:
Páginas:
Formato:
Preço:

A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política
Pierre Clastres
280
15,5 X 22,5
R$ 39,00

A Cosac & Naify lança A sociedade contra o Estado, obra fundamental de Pierre Clastres,
fundador da antropologia política e um dos maiores antropólogos de todos os tempos
Com tradução revista, um prefácio à edição brasileira e uma excelente entrevistafeita com o
antropólogo em 1974, chega aos leitores a nova edição de A sociedade contra o Estado, do francês
Pierre Clastres, volume obrigatório para as todas as gerações de antropólogos e estudiosos do
poder político.
A sociedade contra o Estado, coletânea de onze artigos publicados por Pierre Clastres entre
1962 e 1974, é um dos mais importantes trabalhos de antropologia política já divulgados.Lançada
em 1974, traz o sabor de sua época refletindo uma reviravolta nas ciências humanas, propiciada na
década anterior por autores franceses como Claude Lévi-Strauss, Michel Foucault e Gilles Deleuze.
Como estes, Clastres agarra-se ao projeto de uma forte crítica da Razão ocidental – no seu caso,
uma crítica da Razão política, então aferrada em noções de dominação e subordinação. No entanto,Clastres morreu prematuramente (aos 43 anos), não podendo continuar, como queria e poderia ter
feito, o seu projeto original de constituição de uma antropologia política geral.
A tese que permeia os textos da coletânea, fortemente alinhavados a despeito dos anos que
os separam, é retumbante: a sociedade civil pode prescindir da figura do Estado, e isso pode
ser verificado – empiricamente – naexperiência de boa parte dos povos indígenas da América do
Sul. Com efeito, o argumento lançado aguçou o interesse de antropólogos, filósofos e cientistas
políticos. Se, por um lado, Clastres escrevia para especialistas em povos não-ocidentais, tocando
em um problema bastante delicado para eles – até que ponto essas sociedades podem ser ditas
igualitárias? –, por outro, ele (re)abria uma séria discussão,própria da filosofia política, sobre a
natureza do poder político.
MAIS SOBRE A OBRA
Um chefe sem poder
A figura que serviria de inspiração a Clastres é a do chefe indígena (figura certamente genérica),
autoridade que não detém poder algum, prisioneiro do grupo. Mesmo dotado de privilégios como a
poliginia (casamento com mais de uma mulher), esse chefe está submetido a uma série de
obrigações quepressupõem certas habilidades, dentre as quais, as mais importantes são a
generosidade e o dom da oratória.
O chefe indígena é, em suma, aquele que pode dar e sabe falar. Essa sua fala reúne os
homens ao seu redor sem, no entanto, mostrar-se eficaz para cooptá-los. Em suma, é uma fala
vazia, pois não tem poder de mando, mantém o chefe numa posição de poder que é de fato
aparente. O argumento dePierre Clastres vai mais longe. Não se trata simplesmente de afirmar que
o chefe indígena não detém o poder, pois, para o autor, a sociedade indígena (ou “primitiva”, como
ele prefere chamar de modo algo antiquado e que hoje poderia soar como “antropologicamente
incorreto”) não é estranha ao poder. O chefe não detém o poder porque é impedido pela própria

sociedade, essa sim a detentora de umcerto poder, que não consegue, no entanto, constituir-se
como esfera política separada – ou seja, como Estado. O poder ali permanece difuso.
Essa tese fora formulada por Clastres quando ele tinha apenas 28 anos e divulgada em um
artigo intitulado “Troca e poder: filosofia da chefia ameríndia” – segundo capítulo da presente
coletânea. Nessa época, ele ainda era um estudante de filosofia e se preparavapara iniciar suas
pesquisas de campo em sociedades indígenas sul-americanas, como os Guayaki, Guarani e Chulupi
– todos do Chaco Paraguaio –, os Yanomami da Venezuela e os migrantes Guaranis mbyá das
redondezas da cidade de São Paulo.
Filosofia, marxismo e estruturalismo
As experiências de campo foram certamente responsáveis pela sofisticação de seu pensamento, no
entanto, a idéia central havia...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Resumo "a sociedade contra o estado"
  • A Sociedade Contra o Estado
  • Resumo treze primeiros capitulos A sociedade contra o Estado Pierre Clastres
  • Resenha Critica A Sociedade contra o Estado
  • RESENHA CRÍTICA A SOCIEDADE CONTRA O ESTADO PIERRE CLASTRES
  • Clastres, sociedade contra o estado
  • Fichamento pierre clastres (a sociedade contra o estado e arqueologia da violência)
  • Clastres, pierre. copérnico e os selvagens. in a sociedade contra o estado

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!