O triste fim depolicarpo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (269 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Dona Adelaide, a irmão de Quaresma, entrou e convidou-os a irem jantar. A sopa já esfriava na mesa, que fossem!
- O senhor Ricardo há de nos desculpar,disse a velha senhora, a pobreza do nosso jantar. Eu lhe quis fazer um frango com petit-pois, mas Policarpo não deixou. Disse-me que esse tal petitpois éestrangeiro e que o substituísse por guando. Onde é que se viu frango com guando? Coração dos outros (= designação de Ricardo) aventou que talvez fosse bom,seria uma novidade e não fazia mal experimentar.
- É uma mania de seu amigo, Senhor Ricardo, esta de só querer coisas nacionais, e a gente tem que ingerircada droga, chi!
-Qual, Adelaide, você tem certas ojerizas! A nossa terra, que tem todos os climas do mundo, é capaz de produzir tudo que é necessáriopara o estomago mais exigente. Você é que deu para implicar.
- Exemplo: a manteiga que fica logo rançosa
- É porque é de leite, se fosse como essasestrangeiras aí, fabricadas com gordura de esgotos, talvez não se estragasse... É isto. Ricardo! Não querem nada da nossa terra...
- Em geral é assim, disseRicardo.
- Mas é um erro... Não protegem as industrias nacionais... Comigo não há disso: de tudo que há de nacional, eu não uso estrangeiro. Visto-me com panonacional, calço botas nacionais e assim por diante.
Sentaram-se à mesa. Quaresma agarrou uma pequena garrafa de cristal e serviu dois cálices de parati.- é do programa nacional, fez a irmã, sorrindo.
- Decerto, e é um magnífico aperitivo. Esses vermutes por ai, drogas; isto é álcool puro, bom, de cana
tracking img