O semeador e o ladrilhador

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1015 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O Semeador e o Ladrilhador

Sobre as Raízes do Brasil

• O livro de Sérgio Buarque torna-se um clássico já em sua época (1936), ao propor uma nova abordagem e um novo ponto de vista sobre o Brasil;

• A abordagem é culturalista, quase sociológica, utilizando ainda conceitos de antropologia e psicologia;

Pode-se dizer que é um dos primeiros trabalhos historiográficos que rompe como passado português do Brasil, não no sentido de negá-lo mas de desmistificar, de desconstruir, de mostrar as influências (muitas vezes negativa) dessa colonização sobre o povo brasileiro

Características Rurais

• Segundo weber, a criação de cidades (de Alexandre a Roma) era o meio de criar órgãos locais de poder em regiões distantes;

• Por isso, os domínios rurais tinhamimportância estratégica ao distanciarem-se dos centros urbanos (revoltas camponesas);

• O campo (rural) era o espaço europeu de preservação da cultura pagã (isolamento);

“primazia acentuada da vida rural” como um dos elementos que marcou o “espírito” da colonização portuguesa

Colonização Espanhola

• Devido aos vários séculos lutando contra os mouros na península, os espanhóisadquiriram a estratégia de controlar de forma militar, econômica e política os territórios conquistados, através da criação de núcleos de povoação estáveis (modelo antigo, revitalizado);

• As Leis das Índias foi uma espécie de Constituição das colônias americanas;

• Regiam até a fundação de cidades, com normas específicas sobre o lugar onde deveriam ser erguidas e como deveriam serconstruídas;

• Local saudável: verificável pela abundância de homens velhos e moços de boa compleição e disposição; ausência de enfermidades na população; animais sãos e de bom tamanho; frutos e fontes de água aproveitáveis; livre de animais ferozes e plantas peçonhentas;

• Haviam normas específicas para cidades portuárias, cidades de encosta ou de interior;

• Em geral, todas de acordocom o nascer e o pôr-do-sol, bem como a direção dos ventos;

• Nada de místico ou religioso, trata-se de estratégia militar.

• Ponto original é a Plaza Mayor;

• Nos portos, tal Plaza seria o porto de desembarque;

• Na maioria dos povoados, encontrava-se no centro da cidade, com os vários prédios administrativos em volta (Prefeitura/superintendência, delegacia ou quartel,Igreja, residências oficiais, melhores comércios etc.);

• Tamanho proporcional ao da população, ou seja, de pessoas que poderiam comparecer às festividades (desfiles cívicos, festas religiosas);

• Estratégia para melhor controlar a população

Urbanidade espanhola

• A Plaza serve de traçado para as ruas principais;

• Lugares frios = ruas largas; Lugares quentes = ruasestreitas;

• Tal urbanidade pode ser vista como uma tentativa simbólica de organizar o caos;

• Representação dos valores da civilização européia em meio à barbárie (apesar da Cidade do México asteca ter impressionado os espanhóis pelo seu tamanho, organização e técnica);

• Inclusive as Missões jesuíticas espanholas são inspiradas em modelos de cidades romanas em meio à selva;• Já os jesuítas portugueses foram bem menos “prodigiosos”.




Comparações

• Portugueses:

• Mais preocupados com exploração comercial;

• Colônia era uma local de trabalho passageiro, tanto para o Reino quanto para os súditos;

• Não houveram grandes investimentos de infra-estrutura que acarretassem maiores despesas ou prejuízos para a Metrópole;• Espanhóis:

• Fizeram do território ocupado um prolongamento do Reino de Castela.

• Univ.São Domingos (1538), Univ. México (1551), Univ. São Marcos em Lima (1551);

• Até início séc.XIX (independências) haviam 23 Universidades espanholas na América, onde somente filhos de espanhóis podiam estudar (sem precisar ir à metrópole) (na época, haviam 143 no mundo);

•...
tracking img