O corpo no reggae

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2341 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
OS CORPOS NO REGGAE

1. INTRODUÇÃO

A necessidade natural do ser humano em expor seus sentimentos e pensamentos de forma sistematizada ou não, é observada através dos movimentos dos corpos - evidenciando o espírito artístico ou simplesmente como forma de lazer.
Podemos expressar o que sentimos sem pronunciar uma palavra, mas através apenas de simples movimentos de expressão corporal.Soma-se a isso a dança, principalmente o reggae, usamos o nosso corpo para manifestar, expandir nossas emoções. Baseado nisso, que o trabalho foi traçado, visando encontrar possíveis inferências com relação ao corpo num ambiente em que o reggae se faz presente.






2. locaIS de visita

* Túnel do Tempo;
* Trapiche;
* Ritmo da ilha

3. A QUESTÃO DO CORPO NO REGGAE3.1. ANÁLISE DOS CORPOS NO BAR TÚNEL DO TEMPO

Diante da análise feita no dia 5 de novembro de 2011 chegamos às seguintes constatações:

a) Preliminares

Trata-se de análise feita na acepção etária daquele ambiente, ou seja, o mesmo recepciona pessoas de mais idade ao oferecer reggaes mais antigos, o que, aliás, não poderia ser diferente devido a sua própria denominação. Desta forma,o lugar proporciona àqueles uma verdadeira retomada das suas próprias lembranças o que acaba sendo um atrativo, mesmo que não exclusivamente, aos corpos mais maduros.
Por outro lado, se pode verificar a presença de corpos mais jovens estes, porém, com a mesma, concepção dos corpos mais maduros: estavam à procura da “tranqüilidade do ambiente” e do “despertar das lembranças”. Cabe frisar quemuitos dos reggaes ali tocados não nasceram juntamente com esses jovens, porém, através de várias conversas, pode-se extrair que muitos cresceram com essas músicas, sendo-lhes apresentadas pelos pais ou avós, alguns já falecidos. Em poucas palavras, os reggaes mais antigos fizeram parte de suas vidas.

b) Ambiente

Lugar bem localizado de fácil acesso em avenida bem movimentada (Av. SenadorVitorino Freire, entre os bairros da Areinha e Madre Deus, Centro da capital).
Visivelmente um lugar bem tranqüilo e bem preocupado com a segurança. Pequeno, porém, acolhedor. No início, o ambiente fica ocupado apenas nas extremidades, sendo que o salão principal, ou pista, fica razoavelmente vazio a espera dos corpos. Durante esse momento, “de solidão do salão”, se percebe as extremidades ocupadaspor pessoas consumindo algum tipo de bebida, certamente dando inicio a um ritual de aquecimento do corpo para posteriormente ocuparem o salão. Referida constatação adveio da percepção do horário que influencia significativamente nos demais dados.

c) Horário

Horário de “solidão do salão”: vinte e uma horas.
Entretanto, mais ou menos meia hora depois o ambiente começa a ser mais ocupado eem um intervalo de uma hora pode-se verificar sua total ocupação.
É nesse momento que finalmente o salão começa a ser ocupado, principalmente por aqueles corpos que de inicio encontravam-se recuados a um canto se aquecendo para a dança o que, após grande observação, principalmente em relação às músicas, fica constatado ser propósito do próprio bar.
Assim o é, porque de início as músicas são umpouco mais lentas, consideradas até “nada dançantes”, tudo isso porque ali, naquele horário, os corpos ainda não estão preparados para a dança. A experiência do DJ já sabe disso, e aos poucos o mesmo, observando o estado de espírito dos corpos e a crescente movimentação do ambiente, começa a pôr musicas mais convidativas para a dança. Porém, antes de todo esse desfecho, outros fatores não podemser esquecidos, como a preparação estética e comportamento dos corpos.

d) Apresentação estética dos corpos

Por tratar-se de ambiente que recepciona principalmente pessoas de mais idade, o natural seria imaginarmos pessoas mais recatadas para o ambiente e para o tipo de música que é oferecida. No entanto o que pode ser observado é que os corpos estavam contemporaneamente vestidos,...
tracking img