O brasil caboclo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 29 (7223 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1 O POVO BRASILEIRO



BRASIL CABOCLO


...”O primeiro brasileiro consciente de si foi, talvez o mameluco, esse brasilindio mestiço na carne e no espírito, que não podendo identificar–se com os que foram seus ancestrais americanos – que ele desprezava - nem com os europeus que o desprezavam e sendo objeto de mofa dos reinóis dos lusitanos; via-se condenado a pretensão de ser o que não eranem sentia: o brasileiro”...
(Darcy Ribeiro - O Povo Brasileiro)

Para começarmos a falar sobre tema Brasil Caboclo que, é inicialmente, o foco de nossa pesquisa e entendimento, também é necessário comentarmos –mesmo que brevemente- a respeito da obra como um todo e de seu autor em virtude da grandeza do livro e a importância de Darcy para formação cultural, política e principalmente nossosenso crítico em relação ao Brasil e a constituição de nosso povo.

Comentários sobre o livro

Darcy em O Povo Brasileiro discorre sobre o processo de colonização na história do Brasil comparando-o a outros países. Não se prende apenas ao processo de formação em si, mas também questiona e explica de forma crítica - sua principal característica- e segue descrevendo a ganância de nossoscolonizadores em face de os fones de riquezas naturais e possibilidades encontradas, cita também o conflito com os “nativos”, a manipulação desse contingente humano (escravidão).
Mais adiante fala sobre o processo de formação e urbanização das cidades denominadas “Processo Sociocultural”. A confusão sobre a própria identidade étnica também é um dos pontos principais analisados por Darcy nesta fase o quedemonstra sua preocupação com a maneira que o Brasil encara seus problemas de ordem racial e social.
Em os “Brasis” o autor define bem essas diferenças culturais e raciais, enxergando o Brasil não como um todo e sim através dos processos de formações regionais, a constituição da população em cada parte do país.

Ainda dentro do processo de colonização.

A obra carrega na sua essência a intensanecessidade de Darcy em denunciar o descaso, as humilhações e as “lambanças” nacionais denota aí seu lado político. Contudo não se deixa abater frente aos problemas políticos, econômicos e principalmente sociais do país, acredita no potencial desse povo exaltando sua beleza vinda justamente dessa mistura racial e cultural que forma nossa gente. “Faço política e faço ciência, movido por razões éticase por um profundo patriotismo” é assim que Darcy apresenta suas idéias nesta obra deixando como legado um instrumento importantíssimo para que possamos descobrir e entender nosso país e suas imensas diversidades tão grandes quanto seu próprio território.

Biografia

Darcy Ribeiro nasceu em Montes Claro, norte de Minas Gerais em 1922. Em 1939 vai para a Bahia estudar medicina por vontade desua mãe, uma professora primária. Não se adaptando à carreira, começa a freqüentar a faculdade de Filosofia. Toma gosto por Carlos Drummond, Jorge Amado e outros autores da segunda geração modernista. Descobre Marx, Freud e Schopenhauer. Estes lhe deram um novo discurso e aos poucos iam refazendo suas idéias. Não demora muito, e recebe uma bolsa de estudos de um sociólogo norte-americano - DonaldPierson - para a escola de Sociologia e política de São Paulo, da qual sairia profissionalizado. Nesse meio tempo é surpreendido pela convocação para o Exército, mas acaba se salvando por motivos de saúde.
Chegando a São Paulo, torna-se militante em tempo integral. Conhece Caio Prado Júnior, Oswald e Mário de Andrade e Monteiro Lobato. Ao se formar, é recomendado ao Marechal Rondon para o cargo deetnólogo, e a partir daí mete-se na selva com os índios. Quando perguntado do por que disso, respondia que era pelo encantamento pelo Pantanal, pela Amazônia e pela humanidade índia, que segundo ele é essencial.
Darcy teve duas visões em relação aos indígenas. A primeira acadêmica: via o índio como objeto de estudo. A segunda visão focalizava-os como gente: “Aprendi a olhar os índios com os...
tracking img