A pobreza no mundo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1813 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO




Diariamente todos os brasileiros convivem e visualizam os resultados decorrentes da pobreza, na qual a maioria da população nacional se encontra, os meios de comunicação divulgam os imensos problemas provenientes de uma sociedade capitalista dividida em classes sociais.

Uma parcela da população acredita que a condição de miséria de milhares de pessoasespalhadas pelo território brasileiro é causada pela preguiça, falta de interesse pelo trabalho, acomodados à espera de programas sociais oferecidos pelo governo, em suma, acham que só não trabalha quem não quer, no entanto, isso não é verdade.

Nas últimas décadas, o desemprego cresceu em nível mundial paralelamente à redução de postos de trabalho, que diminuiu por causa das novastecnologias disponíveis que desempenham o trabalho anteriormente realizado por uma pessoa, a prova disso são os bancos que instalaram caixas de autoatendimento. Cada um desses corresponde a um posto de trabalho extinto, ou seja, milhares de desempregados, e isso têm promovido a precarização dos vínculos de trabalho, ou seja, as pessoas não estão garantidas em seu emprego e todos buscam uma permanência nomesmo, antes a luta principal era basicamente por melhorias salariais, atualmente esse contexto mudou.




DESENVOLVIMENTO




A pobreza é um estado de miséria que causa sofrimentos por insuficiência de alimentação, que por sua vez gera problemas de saúde e, esses dois fatores influem no aprendizado e consequentemente na profissionalização, que possa levar a pessoa a umaremuneração melhor e sair do estado de miséria. Há muitas décadas se discute o círculo vicioso da pobreza e as estratégias para romper esse círculo e partir para um desenvolvimento sustentado tem sido modestas. O círculo consiste do seguinte: O país (ou região) é pobre porque falta capital; falta capital porque há baixa capacidade de poupança (de acumulação de riqueza); há baixa capacidade de poupançaporque há baixa renda; há baixa renda porque há baixa produtividade e há baixa produtividade porque há falta de capital.

A primeira vista parece ser simples a solução: basta injetar capital. Mas não é tão simples assim, porque o capital precisa, em contrapartida, de recursos humanos, necessários para que possa produzir. De nada adianta um equipamento sem que se tenha alguém paraoperá-lo. Necessitamos, portanto, melhorar os recursos humanos, cujo processo não é fácil, dado ao estado de miséria em que se encontra essa massa de recurso potencial.

A pobreza tem aumentado e continua aumentando, principalmente por duas razões: o crescimento demográfico, que tem sido bem maior nas camadas mais pobres que nas camadas mais ricas, e a falta de capacidade de nos ajustarmos àsmudanças tecnológicas.

O crescimento demográfico, especialmente nas camadas de menor poder aquisitivo, gera um ônus que dificulta a capitalização para promover o progresso econômico e assim melhorar o bem estar das pessoas. Há vinte anos tínhamos uma população aproximadamente igual a do Japão. Hoje temos vinte milhões mais que o Japão. São milhões de pessoas que ainda não se incorporaramna forma ativa de trabalho, mas que representam custo para a sociedade: alimentação, vestuário, educação, saúde, etc.

Os recursos gastos na manutenção desse contingente são recursos a menos que temos para investir no progresso da sociedade. Esse contingente é apenas o adicional ao contingente a ser mantido de uma ou outra forma, sem que tenham condições de auto-sustentação e progressocom suas próprias forças.

E esse processo vem ocorrendo há muito tempo. Sempre somos o país do futuro. Muitos morrem de velho e não chegam a desfrutar dos benefícios com os quais sonharam, quando em sua juventude lhes era solicitado sacrifício. Sempre em nome do país do futuro, sua esperança terminou como sua própria sombra que não conseguiram alcançar na corrida da vida. Como a...
tracking img