Wallon

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2027 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIP – UNIVERSIDADE PAULISTA
CAMPUS MARQUÊS

PSICOLOGIA / MANHÃ






ESTÁGIO CATEGORIAL – HENRI WALLON









EUCLIDES LOURENÇO DA SILVA JUNIOR RA – 809736-4
KALVYN MARIO NUNES DA SILVA PAN RA – 947569-9
LUANDA SANTANA RA – 919660-9
MICHELE SAID SASS RA – 732784-6
RITA DE CÁSSIA DA ROCHA CABRERA RA – 904282-2
TALITA FERREIRA MARQUES RA – 928570-9
THAÍS DE MOURA RA –971873-7



SÃO PAULO, 17 DE NOVEMBRO DE 2009.
PSICOLOGIA SÓCIO - INTERACIONISTA
PROFª: REGINANDRÉA
Psicogênese da pessoa completa

Wallon propõe o estudo do desenvolvimento humano a partir da criança, tendo o materialismo dialético como base epistemológica e integrando os aspectos: afetivo, motor e cognitivo.
Tal desenvolvimento se dará em certa cultura de determinada época, porisso a importância da contextualização.
Sua teoria compreende estágios que dependem de fatores orgânicos e sociais para seu desenvolvimento e passagem de um para outro. Essa passagem não se dá de forma linear, por ampliação ela ocorre por reformulação, instalando-se no momento da passagem de uma etapa a outra crises que afetam a conduta da criança.
Segundo essa teoria existem três leisreguladoras para a sequência dos estágios:
• Lei de Alternância Funcional: onde o movimento ora esta voltado para o mundo interno, ora para o mundo externo.
• Lei de Predominância Funcional: onde há evidência maior do fator afetivo, motor ou cognitivo, embora continuem nutrindo-se mutuamente e o amadurecimento de um interferindo no amadurecimento dos outros.
• Lei de Integração Funcional:relação hierárquica dos estágios, partindo do mais simples para o mais complexo, conforme as possibilidades ambientais e biológicas.



Estágio Categorial de Desenvolvimento (6 a 11 anos)

Lei de Alternância Funcional: movimento voltado para o mundo externo.
Lei de Predominância Funcional: maior evidência do fator cognitivo.
Esse estágio caracteriza-se na criança porcomeçar a perceber que existe uma diferenciação entre si própria e o mundo externo.
Entre 6 e 7 anos torna-se possível tirar a criança de suas atividades espontâneas para fazer com que ela se dedique á outras que pressupõe autodisciplina, é quando se inicia sua vida escolar. A escola facilita o desenvolvimento de suas potencialidades, transformando/confirmando sua imagem originada na família.A autodisciplina mental, designada por Wallon como atenção, se estabelece devido a maturação dos centros nervosos de inibição e discriminação traduzindo-se também em atividades e posturas motoras mais precisas e de forma voluntária.
Neste momento a objetividade começa a substituir o sincretismo. A diferenciação entre o EU e o OUTRO, iniciado no estágio anterior, fornece condições estáveis paraexploração mental do mundo físico.
A criança origina seus pensamentos tanto em suas experiências pessoais quanto no que aprende através do meio. Entre essas duas formas de conhecimento pode haver contradições que darão força ao seu desenvolvimento, pois através do enfrentamento delas é que irá mudando de estágios.
No inicio deste estágio o pensamento por pares é predominante. Esses paresformam-se por contrastes ou oposições tanto quanto por vínculos ou semelhanças. É o par que sustenta o pensamento sincrético.
Enquanto seu mundo interno é povoado de sonhos e fantasias, o externo é repleto de símbolos e códigos culturais, é nesse contexto que desenvolve sua inteligência, na qual o sincretismo é um fator determinante.
As novas percepções criam uma série de discriminaçõespara as crianças dentre as pessoas, os objetos e os acontecimentos.
A criança mantém nesse estágio uma relação mais estável com os adultos.
A afetividade que vivencia com o outro determina o teor positivo ou negativo do que ela pensa, sente e faz.
Suas potencialidades serão determinadas pelo meio em que vive.
A relação nutrida no seio familiar é diferente da relação...
tracking img