Unidade 1 - o neoliberalismo como proposta hegemônica e globalização

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2571 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O Neoliberalismo como Proposta Hegemônica e Globalização

Celia Regina Otranto
Trabalho publicado na Série Textos CPDA, No. 10, Setembro/1999, p. 11-18.


Esse trabalho se propõe a fazer uma breve análise do neoliberalismo. Tenta demonstrar a importância teórica e política de se compreender o neoliberalismo como um complexo processo de construção hegemônica que ganha força quando seconfigura na alternativa à grave crise que se inicia no final dos anos 60 e se manifesta claramente já nos anos 70, na maioria das sociedades capitalistas.

Considerando que sociedade capitalista é aquela que tem por objetivo central produzir para acumular, concentrar e centralizar capital, pode-se concluir que as necessidades do homem e da coletividade não representam as suas prioridades. Ocapitalismo, então, está centrado nas leis de produção e no lucro e, conseqüentemente, na exclusão dos concorrentes. Justamente por isso é um sistema que tende a crises profundas. Na realidade, a forma capitalista de relação social
tem inscrito em sua lógica a eterna possibilidade da crise, principalmente porque não basta ao capitalismo explorar a força de trabalho, incorporando-a nas mercadoriasproduzidas, é preciso que o ciclo se complete com a venda das mercadorias. Historicamente, a crise do capital não é a crise da produção de mercadorias e sim a crise da superprodução e sua venda no mercado.

As crises de 1914 e a de 1929 evidenciaram que se o modo de produção capitalista for deixado livre em sua lógica anárquica, destrutiva e excludente a tendência é por em risco o próprio sistema. Édentro dessa compreensão e no contexto do ideário socialista e comunista a partir da Revolução de 1914 que a teoria de um Estado forte e interventor capaz de regular a demanda, oferecer subsídios e instaurar uma base planejada de desenvolvimento ganha força. São as teses keynesianas que assumem ampla adesão após os anos 30.

A crise que abriu as portas para o neoliberalismo foi aquela ocasionadapelo fracasso da forma de regulação social keynesiana, denominada Estado de Bem-Estar Social ou regulação social fordista, que se caracteriza por uma intensa e progressiva intervenção planejada da economia para evitar a desordem produzida pelo mercado. No keynesianismo o Estado é controlador e financiador. Controlador de áreas estratégicas como petróleo, energia, minérios e telecomunicações,tornando-se, ele próprio, um produtor, além de desempenhar um papel importante como estimulador de determinados setores através de subsídios à produção.
Financiador das necessidades básicas da população, tais como educação, saúde, transporte, moradia, etc.

Após a Segunda Guerra Mundial, o capitalismo, naquela que muitos autores consideram a sua forma mais avançada, produziu o Estado de Bem-EstarSocial incorporando algumas teses do socialismo. Embora permaneça como Estado da classe dominante, a emergência do Estado de Bem-Estar Social explicita, ao mesmo tempo, as contradições do capital e das relações capitalistas e as lutas e conquistas efetivas da classe trabalhadora, que consegue, para além dos direitos políticos, os direitos sociais fundamentais mantidos pelo poder público. Um dosaspectos centrais das políticas desse modelo de Estado que serve, ao mesmo tempo, como base das condições gerais da produção capitalista e como reivindicação dos trabalhadores é a reprodução da força de trabalho na esfera pública.
Para combater as teses keynesianas, o ideário do Estado de Bem-Estar e, sobretudo, os direitos sociais e os ganhos de produtividade da classe trabalhadora, surge, na décadade 40, o arcabouço teórico e ideológico do neoliberalismo. Seu postulado fundamental é de que o mercado é a lei social soberana.

A proposta neoliberal passa a ser vista como o "remédio" para a nova crise do capitalismo que se configura, então, como: a) a crise do financiamento das necessidades básicas da sociedade pelo Estado; b) a crise da produção e da reprodução das condições gerais do...
tracking img