Trasporte aquaviario

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3167 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE PAULISTA
Instituto de Ciências Sociais e Comunicação

Curso de Gestão de Recursos Humanos
Campus Chácara Santo Antônio
Período Noturno


TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O transporte por água foi usado pelo Homem desde a mais remota antiguidade, tanto nos corpos aquáticos internos - rios e lagos -, como nos mares de todo o Mundo,primeiramente para seus deslocamentos pessoais e pesca, posteriormente para transporte de suas produções, em troca no regime de escambo.

Primeiramente, as embarcações eram de pequeno porte e impulsionadas pela força muscular ou pelos ventos, contando ainda em certos casos com a ajuda das correntes naturais. O grande salto foi dado pela introdução da máquina a vapor, no início do século XIX, quepermitiu seleção de rota, maiores velocidades e aumento de porte das embarcações, além de dar mais segurança no enfrentamento das condições adversas de navegação.

Hoje em dia, os veículos Aquaviários são os de maior capacidade unitária de transporte e os fluxos da modalidade representam cerca de 95% do comércio internacional, constituindo, pois, peça indispensável da Economia Mundial.Internamente nos países em que a rede fluvial e/ou lacustre é significativa, o transporte por água costuma representar parcela ponderável nos fluxos de granéis minerais e agrícolas, bem como nos de combustíveis líquidos. É o caso de Estados Unidos da América, Rússia, Alemanha e França.

No Brasil já foi mais representativo que atualmente, seja na cabotagem marítima, seja no transporte fluvial elacustre, mas hoje, principalmente este segundo é pouco expressivo. Por exemplo, a Amazônia, em que esta modalidade não tem competidores terrestres, transporta menos na maior rede Aquaviária do Mundo que a Argentina no sistema do Paraná-Paraguai.

HISTÓRICO

O sistema de movimento Aquaviário (navegação interior) foi fundamental nos primeiros séculos da formação territorial brasileira (1500-1870). Aprincipal razão para este fato é histórico-geográfica. Os rios Tietê (o “rio das bandeiras”), São Francisco (“rio da integração nacional”) e o caudaloso rio Amazonas, por exemplo, foram importantes para conquista territorial, na época em que o paradigma da mobilidade geográfica era a navegação marítima e interior.

As Aquavias como via de escoamento comercial, dedicados à grandes transportes decarga, é recente. Exceto os rios, como os da Amazônia e do São Francisco (onde predominava quase um único modal), os rios da malha Aquaviária brasileira ganharam políticas territoriais efetivas somente nos anos 1990.

A não existência de rios navegáveis que desemboquem no oceano é visto por muitos com a principal razão do Brasil não ter um sistema Aquaviário que venha solucionar o problema detransporte, a exemplo do que acontece nos EUA. Os rios brasileiros, com exceção do sistema Tietê-Paraná, não estabeleceram ligações entre centros econômicos importantes. Isso torna necessário várias operações de transbordo para que o produto chegue ao destino final.

As dificuldades impostas pela configuração territorial brasileira às Aquavias vão além da capacidade de sua implantação. As Aquaviasdesenvolvem apenas uma integração regional. Ao contrário, por exemplo, das redes rodoviárias, estão limitadas à forma espacial das bacias em que perfazem seus fluxos.

O novo uso agrícola do território, isto é, as modernizações do campo e a expansão dos fronts agrícolas para produção agroindustrial de commodities, foram demarcadores da emergência de políticas comandadas pelo Estado para areorientação e modernização da matriz de transportes.

O Estado, com seu domínio político, normativo e territorial, restabeleceram sua capacidade de empreender políticas de planejamento nos anos 1990. Os planejamentos do Estado favoreceram as políticas territoriais das grandes empresas, através de investimentos que garantissem a competitividade territorial nos espaços dinâmicos do território. Nos...
tracking img