Transporte ferroviario

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3195 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ANÁLISE DE ESTRUTURA, INVESTIMENTO E APROVEITAMENTO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA

Rafael da Silva Romeiro
Economia Contemporânea Brasileira – Prof. Dr. Joaquim Melo Couto

Resumo
Este artigo trata de uma análise da estrutura e do investimento do setor ferroviário de carga, com ênfase nos investimentos realizados pelo BNDES e pelo setor privado após as desestatizações. O estudobuscará, através de levantamentos atuais, mostrar os avanços, alterações na legislação, análise de funções de custo, serviços, rotas e necessidades de expansão do serviço ferroviário para uma melhor perspectiva de crescimento e desenvolvimento do setor, podendo assim obter resultados mais concretos com relação a investimentos essenciais para o sistema ferroviário de carga. O Brasil, atualmente, contacom uma malha ferroviária de pouca expressão em relação aos outros meios de transporte de carga, além de transportar cargas de baixo valor agregado, fatores que acarretam uma receita com potencial para se tornar maior, como será exposto ao longo do artigo.
Palavras-chave: Setor ferroviário, valor agregado, desenvolvimento do setor.

Introdução
Junto com o crescimento produtivo do café, otransporte ferroviário ganhou o cenário como uma ótima alternativa para o transporte de carga, o que favoreceu seu crescimento junto aos investimentos do governo para a construção e ampliação das ferrovias, além de investimentos estrangeiros que colaboraram para a construção da malha ferroviária. No entanto, esse destaque do cenário das ferrovias começa a perder espaço, com a crise cafeeira e osurgimento da industrialização, tornando o transporte ferroviário inadequado para as necessidades dessa nova fase, de modo que o transporte rodoviário acaba por se encaixar melhor de acordo com as necessidades da época para o volume de cargas. A construção de rodovias também era mais barata, o que configurava mais um fator de viabilidade, desencadeando assim, na década de 1950, uma grande quantidade deinvestimentos voltados ao crescimento rodoviário.
Tentando melhorar o cenário e a situação do transporte ferroviário, os governos estadual e federal começam a assumir as malhas ferroviárias - como o trecho da Rede Ferroviária Federal S.A (RFFSA) e Ferrovia Paulista (Fepasa), que são exemplos da interferência do governo nas respectivas malhas. Junto às estatizações na década de 1950 iniciam-se osprimeiros financiamentos realizados pelo BNDES, através de desembolsos para vários projetos que se estenderam até o final do século XX, contando com investimentos vindos do BNDES desde pequenos projetos e reajustes até grandes obras, como o apoio à segunda etapa da construção da ferrovia de Carajás.
No entanto, a estatização do setor ferroviário não foi capaz de atender às expectativasrelacionadas ao crescimento e desenvolvimento do setor, principalmente em decorrência da década de 1980, quando a taxa de crescimento da economia passou por uma grande redução. Isso colocou em questão a necessidade de privatizar as ferrovias, já que o governo não possuía recursos para reverter a situação dos déficits operacionais da malha ferroviária estatal.
Remetendo posteriormente, na década de1990,às privatizações, colocando novamente as malhas ferroviárias para a operação da iniciativa privada. O objetivo principal da privatização do transporte ferroviário estava no aumento da eficiência do setor, desenvolvendo a capacidade de transporte de carga e aumentando, dessa forma, a demanda por produtos para as próprias ferrovias, sem trazer gastos para os cofres públicos e ainda fechando umciclo que aquecia a economia interna do próprio setor ferroviário como um todo, desde a produção de peças até a capacidade do transporte, resultando em um crescimento para toda a cadeia férrea.
Na mesma década das privatizações do setor ferroviário, o governo deixa de ser operador da malha ferroviária e cria em 2002 a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), que é um órgão regulatório,...
tracking img