Trabalho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2601 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Selecione seu perfil:

Médico
Estudante de Medicina
Outro Profissional de Saúde
Público em Geral
* Sobre
* Editorial
* Corpo Editorial
* Fale Conosco
* Assinar

Já é assinante?
Entrar

 
*
* ACP
Medicine
* Revisões e 
Algoritmos
* Aulas em 
Vídeo
* Artigos
Comentados
* Casos 
Clínicos
* Medcalc 
3000
* BPR Guia de
Remédios* Biblioteca 
Livre
* WebGuia
Índice
<-
* INTRODUÇÃO
* ASPECTOS PSICOPATOLÓGICOS DO SUICÍDIO
* FICÇÃO E FATOS
* AVALIAÇÃO DOS RISCOS
* TRANSTORNOS MENTAIS E SUICÍDIO
* DEPRESSÃO E SUICÍDIO
* ABORDANDO O PACIENTE SUICIDA
* CONDUTAS DIANTE DE UM PACIENTE SUICIDA
* BIBLIOGRAFIA
Você está em: Inicial  revisoes Psiquiatria 
Como Prevenir o Risco e aTentativa de Suicídio

Autores:
Carolina de Mello Santos
Médica Psiquiatra Colaboradora do Serviço de Interconsultas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Alexandrina Meleiro
Doutora em Psiquiatria pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médica-assistente do Serviço do Institutode Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Kelma Assunção Sousa
Psicóloga pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Mestre em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Professora Colaboradora do Curso de Formação em Psicodrama do Convênio SOSPS/PUC-SP.
Última revisão: 25/10/2009
Comentários de assinantes: 0
INTRODUÇÃO            Tentativa prévia de suicídio e presença de transtorno mental são os dois mais importantes preditores de suicídio. Um indivíduo com história de tentativa prévia aumenta em 40 vezes a chance de suicídio em comparação com a população geral. Portanto, na última década, os indivíduos que tentaram suicídio foram o foco da maioria dos estudos epidemiológicos. Um estudo multicêntrico com 9 paísesdescobriu que 10 a 18% da população relatava ideação suicida e que 3 a 5% já tinham tentado suicídio.
            O comportamento suicida é composto por um conjunto de cognições e comportamentos disfuncionais, cujo fim pode ser a morte do indivíduo. Embora erros de julgamento e diagnóstico do potencial suicida sejam inevitáveis, os erros de omissão são previsíveis se o avaliador executar o examecompleto do risco de suicídio. Nesta medida, os médicos, principalmente de atenção primária e de emergência, desempenham um papel fundamental nesta campanha contra suicídio. É preciso diferenciar, nos serviços de emergências, as chamadas tentativas de suicídio das intoxicações exógenas, dos traumatismos, das queimaduras, dos ferimentos por arma de fogo ou arma branca e dos acidentes automobilísticos. Osuicídio e a tentativa de suicídio demandam atenção de clínicos e cirurgiões do pronto-socorro e consomem grandes recursos de saúde, passando a ser considerados, na última década, como um problema considerável de saúde pública.
            É fundamental que os profissionais médicos saibam como avaliar adequadamente o potencial suicida, como reconhecer os indivíduos suscetíveis antecipadamente equando liberar o paciente após uma tentativa frustrada de autoeliminação. Infelizmente não há testes preditivos ou critérios clínicos que possam dizer antecipadamente quem cometerá ou não suicídio. Este texto tem como objetivo ajudar a identificar e avaliar pacientes com ideação suicida ou com tentativas de suicídio anteriores, além de auxilliar numa adequada orientação e encaminhamento aotratamento.
 
ASPECTOS PSICOPATOLÓGICOS DO SUICÍDIO
            O comportamento suicida inclui alguns aspectos que variam em graus crescentes de intensidade e gravidade. A diferenciação de alguns conceitos psicopatológicos são fundamentais para compreender o complexo fenômeno do suicídio, tais como:
 
 ideias de morte;
 ideias suicidas;
 desejo de suicídio;
 intenção de suicídio;
...
tracking img