Trabalho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 23 (5715 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA
FACULDADE DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA
INSTITUTO DE CIêNCIAS BIOLÓGICAS
















EMBRIOLOGIA E TOXICOLOGIA DO PERÍODO EMBRIONÁRIO





Juiz de Fora, 2009
Introdução

Neste trabalho trataremos do período embrionário, no qual discutiremos o desenvolvimento do embrião e asinterferências dos tóxicos no mesmo.
O processo precursor do desenvolvimento embrionário: a gametogênese, a qual engloba a espermatogênese e a ovogênese, forma os espermatozóides e ovócitos. Após o ato sexual, os gametas masculinos vão ao encontro do feminino e ocorre a fecundação, forma-se o zigoto e a partir daí, há muitas divisões mitóticas que vão dar origem ao embrião. No desenvolvimento, o embriãopassa por vários estágios (mórula, blástula, gástrula, etc.) sofrendo mudanças até a oitava semana de gestação.
Na toxicologia trataremos dos efeitos dos tóxicos (álcool e drogas, por exemplo) no organismo, especificamente a teratologia enfatizando os efeitos das substâncias químicas no organismo do embrião.



Fertilização


Fertilização é o processo de fusão dos gametasfeminino e masculino dando origem ao zigoto. Este processo termina em até 24 horas após a ovulação, ocorrendo na ampola da tuba uterina.
Nas fases da fertilização temos: A Passagem do espermatozóide através da corona radiata, que envolve a zona pelúcida do ovócito. O acrossomo do espermatozóide libera enzimas chamadas hialuronidase que dispersam as células foliculares da corona radiata, asenzimas são auxiliadas pela mucosa da tuba uterina e pelos movimentos da cauda do espermatozóide.
Após vencer esta barreira, o gameta masculino passa a penetrar na zona pelúcida que envolve o ovócito. Este processo também é feito a partir de enzimas vindas do acrossomo, estreases, acrosina e neuraminidase. Nesta etapa há a reação da zona pelúcida, tornando-se impermeável a outrosespermatozóides, devido a ação de enzimas lisossômicas liberadas pelo ovócito.
As membranas plasmáticas do ovócito e do espermatozóide se fundem e sofrem dissolução na área de coalizão.
Após a entrada do gameta masculino, o feminino completa a sua segunda divisão meiótica. Forma-se o segundo corpo polar e o ovócito maduro, no qual seu núcleo torna-se o pronúcleo feminino. O espermatozóide porsua vez, aumenta de tamanho, formando o pronúcleo masculino e sua cauda se degenera. Morfologicamente os pronúcleos são indistinguíveis.
O zigoto é um embrião unicelular com a combinação dos cromossomos paternos e maternos resultando no número diplóide (2n), ou seja, o ovócito fecundado possui 46 cromossomos. As membranas dos pronúcleos se dissolvem, os cromossomos se condensam e sedispõe para a primeira divisão mitótica.





Clivagem do Zigoto


A clivagem ou segmentação consiste em sucessivas divisões mitóticas, o que provoca o aumento do número de células, chamadas blastômeros. A cada divisão de clivagem os blastômeros tornam-se menores. Esta ocorre enquanto o zigoto avança pela tuba uterina em direção ao útero. A clivagem se inicia cerca de 30 horasapós a fertilização e durante esse processo o zigoto ainda está contido na zona pelúcida.




Formação da mórula



Quando há de 12 a 15 blastômeros o ser humano em desenvolvimento é denominado mórula e consiste basicamente em uma massa de células. A mórula, esférica, forma-se 3 dias após a fertilização, momento em que ela penetra na cavidade uterina. O período da mórula teminício com 12 a 15 blastômeros e termina com a formação do blastocisto.



Formação do blastocisto



Enquanto a clivagem e a formação da mórula ocorrem enquanto o zigoto avança pela tuba uterina, a formação do blastocisto normalmente se dá no útero. O blastocisto apresenta duas camadas de células: o trofoblasto, uma camada delgada e externa de células que origina a placenta...
tracking img