Trabalho e sociabilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6111 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O processo de produção e reprodução social: trabalho e sociabilidade

“Com a valorização do mundo das coisas, aumenta em razão indireta a desvalorização do mundo humano.” (Karl Marx)

Sara Granemann Professora da Escola de Serviço Social da UFRJ – RJ sgranemann@uol.com.br

1

1 Há diferenças entre trabalho e emprego? Nos dias atuais, especialmente nas duas últimas décadas, no Brasil e nomundo, muitas páginas foram escritas sobre o fim do trabalho. A afirmação de que o trabalho acabou carrega consigo uma outra inferência com status de verdade irrefutável: já não haveria validade nas formas de organização típicas do trabalhadores e nem teria mais lugar para a construção da consciência e dos instrumentos políticos de luta dos trabalhadores: estaria, irremediavelmente, superada apossibilidade da classe para si. Raciocínios como estes estão na base de numerosos embates teórico-políticos em curso na academia e na produção editorial, nos órgãos da grande mídia, nos discursos e nas políticas governamentais, na difusão do pensamento da grande burguesia por proeminentes intelectuais, nas elaborações das agências do grande capital, notadamente em relatórios do Banco Mundial, doFundo Monetário Internacional e da Organização Mundial do Comércio. Entre as conseqüências de impacto que estes juízos propiciaram está a recomendação de que ‘reformas estruturais’ do Estado e das políticas sociais deveriam ser implementadas na direção de reduzir direitos do mundo do trabalho, ele mesmo em franca derrocada. Em grande quantidade de textos e publicações trabalho e emprego são,equivocada e por vezes intencionalmente, compreendidos como sinônimos. Embora com evidentes relações, trabalho e emprego não podem ser reduzidos a uma e mesma coisa; aliás tal redução ideológica serve às conclusões apressadas que nos informam o fim do trabalho1.

Por ter aumentado a produtividade do trabalho e sua capacidade em gerar lucro para o capital é que se produz a eliminação de postos detrabalho. Conforme dados largamente comprovados, havia nos países capitalistas centrais, em 1996, oficialmente, 37 milhões de desempregados ao mesmo tempo em que as 147 pessoas mais ricas do mundo teriam uma fortuna acumulada de 1 trilhão de dólares, soma equivalente ao ganho anual total de quase três bilhões de habitantes do planeta ou a metade da população mundial. TOUSSAIINT, Eric. La bolsa o lavida. Las finanzas contra los pueblos. 2. ed. Buenos Aires/Argentina: Editora, 2004.
1

2

Para Pochmann (2007), vive-se atualmente uma mudança da base técnica do trabalho quando a produtividade é fortemente elevada e a organização clássica do trabalho apresenta profundas alterações. Para o autor, a exigência de modificações postas pelo capital não faz o trabalho perder a centralidade, e tomaras mudanças tecnológicas que reduzem postos de trabalho como o fim do emprego seria criar uma falsa disjuntiva em cuja difusão há enorme do pensamento dominante para “que os trabalhadores aceitem os empregos possíveis gerados pela nova ordem econômica internacional ou, do contrário, a alternativa é o desemprego.” (POCHMANN, 2007)2. 2 Trabalho e natureza humana Terá mesmo o trabalho realizado peloshomens deixado de ser o sustentáculo na construção da natureza humana? A argumentação aqui desenvolvida sustenta: o trabalho continua a ser o eixo fundamental da sociabilidade humana; a dimensão capaz de criar uma natureza humana3, isto é, a atividade capaz de nos tornar seres portadores de uma natureza diversa da dos outros seres naturais (animais, aves e insetos) que, não obstante, desenvolvemtrabalho com níveis diversos de sofisticação no âmbito do mundo natural.

Conforme POCHMANN, Marcio. Entrevista. Jornal da Unicamp, São Paulo, edição 354, de 9 a 15 de abril. Disponível em: Acesso em: 27 fev. 2009. 3 Por natureza humana reconhecemos no homem a constituição de uma sua segunda natureza que se eleva sobre a sua existência natural, biológica; esta, por assim dizer, caracteriza-se...
tracking img