Toytismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 23 (5512 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Site: http://www.espacoacademico.com.br/047/47cfutata.htm
Referências
ALVES, Giovanni. Toyotismo e neocorporativismo no sindicalismo do século XXI. Outubro, São Paulo, n.5, p. 47-58, 2001.
ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 6ed. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Universidade de Campinas, 1999.
________ Ricardo. Otoyotismo, as novas formas de acumulação de capital e as formas contemporâneas do estranhamento (alienação). Disponível em: <http://www.alast.org/PDF/Walter/Tec-Antunes.PDF>. Acesso em: 21 jun. 2004.
CATTANI, Antonio (Org.). Dicionário crítico sobre trabalho e tecnologia. 4. ed. Re. Ampl. Petrópolis: Vozes; porto Alegre: Ed. Da UFRGS, 2002. 
GOUNET, Thomas. El toyotismo o el incremento de laexplotación. Disponível em:<http://www.wpb.be/icm/98es/98es11.htm-23k.>. Acesso em: 21 jun. 2004.
________________. Fim do trabalho, fim do emprego. In: CARRION, Raul K. M. e VIZENTINI, Paulo Fagundes. A crise do capitalismo globalizado na virada do milênio.
HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. 12ª.  ed. São Paulo: Loyola; 2003.
MARTINS, José de Souza. A aparição do demônio na fábrica, nomeio da produção. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, São Paulo: vol. 5, nov./1994.
OCADA, Fabio Kazuo. Trabalho, sofrimento e migração internacional: o caso dos brasileiros no Japão. In: ANTUNES, Ricardo e SILVA, Maria Aparecida Moraes. O avesso do trabalho. 1ª. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2004.
SASAKI, Elisa Massae. Movimento Dekassegui. A experiência migratória e identitária dos brasileirosdescendentes de japoneses no Japão. In: REIS, R. R., SALES, T. (orgs.). Cenas do Brasil Migrante. São Paulo, Boitempo, 1999, pp. 243-274.
WOOD JR, Thomaz. Fordismo, Toyotismo e Volvismo. Os caminhos da indústria em busca do tempo perdido. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, 32 (4): 6-18. Set./out. 1992.

A crise do final dos anos 1960 e início de 1970, que se estende até os diasatuais, como afirma Antunes (1999) está relacionada, fundamentalmente, à crise da  estrutura do capital, que na tentativa de recuperação de seu ciclo reprodutivo e resgate de  seu processo de dominação, deflagra intensas transformações no próprio processo produtivo, pelas vias de novas formas de acumulação.
Nesse sentido um novo movimento político é criado quando bases da direita tomam para si osdiscursos  que até então eram considerados de esquerda. Essa nova tendência é denominada por grupos que estudam o materialismo histórico, de Nova Direita. Embutidos nesse “novo” movimento político é possível verificar a existência de uma vertente conservadora e uma vertente neoliberal[1]. A Nova Direita e sua vertente neoliberal, amplamente divulgada, porém superficialmente discutida, são asformas encontradas para redefinir as bases do processo de acumulação capitalista.
Esse movimento político traz consigo postulados como, estado mínimo, livre iniciativa, consideram todas as atividades como mercadorias, inclusive a educação e ressaltam a incapacidade que a mesma apresenta de insuficiência quanto à produção de bens para o mercado.
As tentativas de resolver os problemas gerados pelacrise do capitalismo, que fazem gerar esse movimento, são responsáveis por modificações importantes no campo do trabalho, como a introdução de novas tecnologias e aumento da exploração da classe operária.
A concorrência intercapitalista e a necessidade de marcar o domínio do controle das lutas sociais, oriundas do trabalho, através das transformações do modelo de produção fazem com que o mundo dotrabalho sofra transformações em sua estrutura produtiva, sindical e política. Nos países de desenvolvimento tecnológico acelerado, a acumulação de capital se fortificou, as mudanças  tecnológicas foram inseridas no mundo da produção fabril, provocando intensas modificações, e é possível  afirmar que,  “[...] a classe-que-vive-do-trabalho sofreu a mais aguda crise deste século, que atingiu não só...
tracking img