Tio patinhas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4549 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
a explicitar algumas das idéias ali contidas. José Jeremias de Oliveira Filho não me tem faltado com a sua palavra amiga de estímulo, mesmo quando se trata de trabalhos menores, como os que reúno aqui, palavra que sobremodo valorizo porque dita em momentos de grande desânimo. O mesmo posso dizer de José César A. Gnaccarini e de Braz José de Araújo. Aos professores e alunos do curso depós-graduação em Sociologia Rural da Universidade de Brasília sou agradecido pelos comentários, críticas e sugestões que fizeram ao texto aqui incluído como último capítulo. Heloisa Helena Teixeira de Souza Martins, minha leitora predileta, leu e comentou criticamente estes trabalhos, ajudando-me a enxergá-los de um modo mais objetivo. Finalmente, sou agradecido aos rneus alunos de todos estes anos que, comsuas indagações, ajudaram-me a definir e situar pontos de vista aqui contidos. JOSÉ DE SOUZA MARTINS l de novembro de 1977

l — Tio Patinhas no centro do universo
"Bem, é que no nosso país", disse Alice, ainda um pouco ofegante, "o mais certo seria chegar a outro lugar — depois de correr tanto como nós fizemos". "Um país muito lento!", retorquiu a Rainha. "Não, aqui, como vês, é preciso correr omais que se pode para ficar no mesmo lugar. Se quiseres ir para outro lugar tens de correr, pelo menos, duas vezes mais depressa!" (Lewis Carroll, Alice do outro lado do espelho)

A grande esperança "de" cada um dos membros dessa incrível família de patos trajados de gente é a de que o caminho que os leva educativamente de coloridas folhas de papel aos nossos olhos e à nossa mente seja um caminhosem retorno. Alojados na nossa inteligência, esperam demarcar aí a posse ilícita do terreno em que pretendem vegetar na continuidade do imobilismo em que foram gerados e que constitui a razão de ser de sua existência. Nada de voltar às origens enriquecidos pela crítica vital de seus hospedeiros para, ao menos,.
( * ) Publicado originalmente em Ciência e Cultura, volume 27, número 9, SociedadeBrasileira para o Progresso da Ciência, Setembro de 1975, pp. 943-948. Reproduzido no Caderno de Sábado (suplemento literário do Correio do Povo), Porto Alegre, 4 de setembro de 1976, pp. 8-9.

XIV

comprometerem-se com a vida do mundo que os produz. Seu modo de ser impõe que, nesse plano, um par de aspas seja, por prudência, colocado nos extremos da palavra "educativamente". É que a existênciaautoritária dos personagens é condição da ditadura dos quadrinhos. A reflexão crítica constitui inequívoca manifestação subversiva, pois democratiza a educação, transformando o hospedeiro-objeto de coisa passiva em pessoa. Nesse pequeno mundo fantasioso não é apenas cada personagem uma coisa contemplada, mas o próprio leitor é coisa, repositório passivo que nele se integra para abrigar semreflexão cada membro da sociedade centrada nessa família. Neste trabalho registro uma leitura sociológica das histórias cujos personagens são os habitantes de Patópolis, figuras criadas pela empresa de Walt Disney. Procuro descrever as relações sociais que vinculam os vários personagens e, através do seu conteúdo, mostrar que elas hierarquizam os patopolitanos por meio de uma escala implícita de valoresfundada na figura do capitalista clássico. Essa escala de valores é que se pretende educativa, por meio da definição do gosto do leitor, procurando incutir nele as noções morais de bom, ridículo, delinqüente e louco, entre outras. Tal leitura seria impossível sem a constatação preliminar de que cada personagem é, antes de tudo, mercadoria, que se vende e se compra. Daí resulta o imobilismo queexplica os vários tipos e a posição passiva do leitor "educando". Torna-se possível, desse modo, a leitura sociológica das historietas, uma vez que a substância das relações sociais não está primeiro nos vínculos entre os personagens, mas sim na relação da empresa que produz e vende a história e o consumidor que a compra. A historieta sistematiza o universo simbólico que suporta e explica a...
tracking img