Teoria do conhecimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2102 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Racionalismo e Empirismo

Racionalismo e empirismo são duas correntes filosóficas, duas formas do pensamento moderno, iniciado no século XVII, o racionalismo inicia o pensamento moderno através de Descartes, e praticamente toda idade moderna gira em torno desse pensamento a partir das obras “Discurso do método” e “As meditações”.O pensamento moderno se inicia com uma desconfiança, uma dúvida,partindo dos chamados pré-conceitos e das pré-noções existentes, só o que é inquestionável dentro de uma base racional (análise racional) é verdadeiro, isto consiste no pensamento de que por meio da razão, e somente por ela se descobre a verdade exata, eterna e imutável.Sendo assim o homem só pode atingir a perfeita felicidade fazendo triunfar o poder da razão sobre os extintos e as paixões.Descarte lançara a hipótese de que todas as coisas foram criadas por um “Deus enganador”, com o único objetivo de enganá-lo para que dessa forma pudesse pensar a existência de todas as coisas dubitáveis.O racionalismo cartesiano parte de uma idéia de distinção da alma e do corpo, havendo uma possibilidade da existência sem o corpo, assim para Descartes a negação do corpo não é a negação da existência,a existência pode ser restringida ao momento do pensamento, em validade, nem para antes nem para depois, sendo causada uma dependência de outra coisa que seja exterior e sustente a existência total.A idéia do “Deus enganador” estendeu a duvida da existência das coisas, mesmo as mais evidentes ora que uma vez que eu duvido, penso e se penso existo, já que algo que não existe não pode duvidar(pensar), mesmo que exista um Deus enganador, que me leva a duvidar de tudo eu não poderia duvidar de minha existência enquanto ser pensante.
Podemos convir que a partir do pensamento moderno a preocupação dominante não diz respeito ao “ser”, a realidade em si, as causas últimas das coisas- Deus- mas sim ao homem, a sua capacidade de entender, conhecer, e de transformar o mundo estabelecendo assim ovalor do conhecimento humano e descobrir uma metodologia adequada para a investigação filosófica, Descartes considera que o único conhecimento válido seja aquele que se encontra inato na alma, aliais essa idéia de inatismo é uma das contradições entre o empirismo e o racionalismo, porém o inatismo não seria uma idéia partida do nada de Descartes ela teria se baseado no inatismo platônico, Platãodefendia a idéia de que todos nascem dotados de razão e esta não seria adquirida através da experiência, segundo Platão conhecer é recordar a verdade que já existe em nós, é despertar a razão para que ela se exerça por si mesma, para Descartes o espírito possui três tipos de idéias que se diferenciam em origem e qualidade, as idéias adventícias, isto é as que se originam das sensações, percepções elembranças, as idéias fictícias, que são as criadas pela imaginação, fantasias, essas nunca são verdadeiras e não correspondem a nada que exista, e as idéias inatas, aquelas inteiramente racionais e só podem existir porque já nascemos com elas.As teses racionalistas foram retomadas e desenvolvidas por Malebranche, Spinoza, Leibniz e em parte por alguns iluministas e idealistas, Leibniz fez umacontribuição importante ao pensamento racionalista em relação ao inatismo estabelecendo um diferenciamento entre verdades de razão e verdades de fato, isto é as primeiras enunciam que uma coisa é, necessária e universalmente, não podendo de modo algum ser diferente do que é e de como é, sendo inatas, um exemplo evidente das verdades de razão são as idéias matemáticas, a segunda são aquelas verdadesque dependem da experiência, pois enunciam idéias que são obtidas através das sensações,da percepção e da memória, sendo assim empíricas,para ele o principio da razão suficiente e necessária permite manter as idéias inatas e as idéias empíricas, é justamente o principio da causalidade que será alvo das criticas empiristas. Para os racionalistas, o espírito, entidade ativa do raciocínio, é o...
tracking img