Spodoptera frugiperda em milho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1844 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade de São Paulo
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas
Disciplina LGN5832 - Melhoramento de Plantas em Condições de Estresses Bióticos
Prof. José Baldin Pinheiro







Monografia:
Spodoptera frugiperda em milho





Aluna:
Fabiani da RochaJunho/2011
1. Importância econômica do milho
O milho, depois o trigo e do arroz, pode ser considerado como o cereal mais importante no mundo. O seu prestígio pode ser caracterizado pelas diversas formas de utilização (FERREIRA et al., 2007), que vai desde a alimentação humana (33,3%), animal (66,6%) até a indústria de alta tecnologia (matéria prima para a produção de petróleo, amidoe proteína, bebidas alcoólicas, adoçantes de alimentos e de etanol). A produção global de grãos de milho esta estimada em um recorde de 1.146,8 milhões de tonelada para a safra de 2011/2012. Deste montante, os Estados Unidos é o principal país, tanto em produção quanto no consumo de milho. O Brasil ocupa a terceira posição, com uma área total cultivada de 12.682,2 mil ha, e uma produção de52.723,6 mil toneladas de grão. A Região Sul é a maior produtora do país, produzindo anualmente cerca de 60 mil toneladas, em uma área 17.501,5 mil ha CONAB (2011).
Porém, o milho também é atacado por diversas pragas que podem ocasionar prejuízos à produção. Sendo que, a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda) é considerada o principal inseto-praga para a cultura do milho no Brasil (LIMA et al.,2010).

2. Prejuízos à cultura pela Spodoptera frugiperda
As lagartas de Spodoptera frugiperda atacam as folhas das plantas desde a emergência até o pendoamento e espigamento, provocando raspagens e furos, podendo atacar o cartucho e destruí-lo completamente. Podem ainda causar danos as espigas. As perdas devido ao ataque da lagarta podem reduzir a produção de 34 a 60%, dependendo do genótipo,do estádio de desenvolvimento da planta e da época de cultivo (CRUZ et al., 1996; LIMA et al., 2010).
Perdas no Brasil devido ao ataque desse inseto são estimadas em US$400 milhões anuais (FIGUEIREDO et al., 2005). E o dado mais alarmante, é que a contabilização dos prejuízos não esta ligada a falta de tratamento fitossanitário, e o custo de aplicações de produtos químicos esta estimado etre US$500 e US$ 600 milhões (CRUZ et al., 1996). Além do controle químico, tem-se como alternativa o uso de cultivares resistentes e de híbridos transgênicos.

3. Herança da resistência a Spodoptera frugiperda
A herança da resistência do milho a Spodoptera frugiperda é considerada quantitativa, ou seja, governada por muitos genes, com grande influência do ambiente, e baixas estimativas deherdabilidade. Quanto ao tipo de interação alélica envolvida os trabalhos têm mostrado resultados variados dependo da característica foco do estudo. WILLIANS et al. (1995) mensurando o efeito da resistência sobre o crescimento de lagartas encontraram que tanto os efeitos da capacidade específica de combinação (CEC) como da geral (CGC) foram significativos. Sendo que, a presença de significância para a CGCreflete importância dos efeitos gênicos aditivos, enquanto que a significância da CEC indica que efeitos gênicos não aditivos estão envolvidos no controle da característica. Ou seja, pode-se inferir que tanto efeitos aditivos quanto os não aditivos estão envolvidos no controle da resistência do milho a Spodoptera frugiperda.
Concordando com os resultados anteriores, ALVAREZ e MIRANDA-FILHO (2002)encontraram efeitos de variedades e de heterose significativos para três caracteres: nota para resistência (variando de 0 a 5), rendimento de grãos e altura de planta, indicando que tanto os efeitos aditivos quanto os de dominância podem ser importantes como fontes de variação.
Por outro lado, os autores WILLIANS et al. (1989) ao quantificarem sobrevivência e crescimento de lagartas em...
tracking img