Socioambiental

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3112 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Trabalho sobre Layargues e as Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação Ambiental.

TRABALHO SOBRE LAYARGUES E AS DIRETRIZES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL...
Resumo:
Fazendo uma reflexão dos textos, de Philippe Layargues e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental, esboça-se nos presentes artigos uma visão ideológica para a educação ambiental e uma profundareflexão sobre a verdadeira intenção na política ambiental adotada e também um contraste com o quadro político, social e econômico.
Palavras-chave: Reciclagem, Educação Ambiental, Consumismo, Reflexão,Emancipação.
Introdução
O autor do artigo “O cinismo da reciclagem” dividi a ideologia dos R”s em dois discursosecológicos diferente. Para ele, o mais representativo, utilizando e ensinado tanto na escola como em programas de conscientização é o discurso ecológico oficial, como também é mencionado na DCNEA,” para que ocorra uma EAE efetiva é necessário que ela seja inserida em todos os níveis de ensino e que a EA seja desenvolvida, também, nos espaços educativos não formais”. Nessa vertente, observa-se adefesa que o problema principal é o consumo insustentável, onde a sociedade atual desperdiça muito. Logo, a solução encontrada é a priorização da reciclagem. Isso acontece, pois o ciclo de produção continua ativo, sustentado nos produtos que foram reciclados.
O outro discurso é chamado de discurso ecológico alternativo. Nele, é visível uma dura crítica a cultura da sociedade capitalista, que consomedesenfreada mente, colocando-a como problema principal a ser combatido. Esse consumo em larga escala é sustendo pelos interreses das grandes impressas, que visam o lucro. Os artífices para manter o consumo são a venda de produtos com pouco tempo de vida útil (como vimos no vídeo A história das coisas), obrigando o consumidor a comprar o mesmo produto novamente, e a propaganda em massa de“inovações tecnológica”, que tornam os produtos comprados constantemente ultrapassados, levando assim a necessidade de comprá-lo novamente. Logo, o discurso prioriza a redução e a reutilização, mas pra isso seria necessária uma mudança comportamental da população, segundo o autor e também o que nos diz as Diretrizes que “os princípios e objetivos da educação ambiental se coadunam com os princípios gerais daeducação contidos na Lei 9.394, de 20/12/1996 (LDB) que, em seu artigo 32, assevera que o ensino fundamental terá por objetivo a formação básica do cidadão mediante (...) II – a compreensão do ambiente natural e social do sistema político, da tecnologia das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade.
Layargues evidencia que o discurso ecológico alternativo não é adotado oficialmente,pois é totalmente subversivo e radical, tocando nos maiores interesses do sistema capitalista. Ele meche onde mais dói: O bolso. Por isso o discurso ecológico oficial é o mais presente em escolas e programas de conscientização. Ele apresenta um caráter comportamental e não reflexivo como o discurso alternativo, tornando a pedagogia dos três R’s em pedagogia de reciclagem. Ele aliena a população,proporcionando uma sensação de segurança ao desviar as criticas ao consumismo. Ao menos o autor concorda que ela pode ser vista como um pequeno avanço do pensamento ecológico.

É tomado como exemplo no artigo o cinismo da lata de alumínio, a campanha da reciclagem. A partir daí o autor tece uma harmoniosa teia desmitificando os argumentos clássicos de ordem econômica, social, política e culturaldessa pedagogia de reciclagem. O autor apresenta os diversos mecanismos e a hipocrisia do discurso “o espetáculo índice brasileiro de reciclagem de alumínio, por volta de 73%, está em primeiro lugar no mundo”. Lendo o artigo de Layargues vemos claramente que a educação ambiental no ensino formal se apresenta realmente desconexa, reducionista, desarticulada e insuficiente como noz diz as...
tracking img