Resumo pratica juridica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1061 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
1 Base teórica Objetivo deste artigo é apresentar o resultado da análise da construção da linha argumentativa. Para se discutir o objeto proposto, levamos em consideração que os usuários da língua, em suas manifestações escritas ou faladas, utilizam discursos argumentativos com o intuito de convencer e persuadir um público-alvo de que seus argumentos são válidos. Segundo o Tratado daArgumentação” (1996) e “Enciclopédia Einaudi” (1987), define argumentação nestes termos: Argumentar é fornecer argumentos, ou seja, razões a favor ou contra uma determinada tese a arte de falar de modo a persuadir e a convencer, e retoma a dialética e a tópica, artes do diálogo e da controvérsia. Intenção daquele que argumenta é influenciar o auditório a propósito de algum tema é necessário que oorador queira exercer mediante o seu discurso uma ação sobre o auditório, isto é, sobre o conjunto daqueles que se propõe influenciar. (Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca, 1987). 2 Argumentação e Demonstração A demonstração é percebida como uma atividade do raciocínio que se reduz a um cálculo. Já a argumentação envolve a apresentação de argumentos ou razões afavor ou contra uma tese. Segundo Menezes, toda argumentação, na medida em que se propõe exercer uma ação qualquer sobre o auditório, de modificar a intensidade da sua adesão a certas teses, tem como efeito provar uma ação imediata ou pelo menos predispor a uma ação eventual. Persuadir e convencer são conceitos diferentes, o discurso persuasivo se dirige a um auditório particular, quer se tratede um indivíduo ou de um grupo restrito, enquanto convencer é um atributo do discurso demonstrativo visa o auditório universal. A técnica de argumento de ligação visa harmonizar o orador e o auditório registra Menezes, dividem-se em 3 (três) classes, a saber: 1) argumentos quase lógicos: aqueles que, pela sua estrutura, lembram os raciocínios formais; 2) argumentos baseados naestrutura do real: valem-se da sua estrutura para estabelecer uma solidariedade entre juízos pelo auditório e outro que se procuram promover;apoiam-se em: a) ligações de sucessão; (como a relação de causa e efeito): argumento pragmático, argumento do desperdício, argumento da direção, argumentos de superação, etc. b)ligações de coexistência; (como a relação de pessoascom seus atos): argumento de autoridade, argumento de hierarquia, argumentos concernentes às diferenças de grau e ordem, argumentos concernentes ao ethos. 3) argumentos que fundam a estrutura do real: generalizam aquilo que se aceita acerca de um caso particular (busca a formulação de uma lei a partir de casos particulares; os fatos poderão ser aceitos sem discussão). Atécnica argumento de dissociação, também utilizada em um auditório, visa abalar ou romper a solidariedade entre as teses admitidas e aquelas contrárias às teses do orador. A argumentação tem como finalidade alinhar os fatos e as idéias, numa progressão, a fim de persuadir o leitor. Usam-se justificativas e argumentos que possuem coerência com o tópico-frasal inicial e que colaborem para a conclusão.Ensina Menezes. 2 Estrutura do texto argumentativo A construção do texto argumentativo envolve a estrutura e desenvolvimento das informações, em forma de argumentos. Assim, o autor do texto, poderá organizar e distribuir as informações, de modo que seus argumentos sejam empregados com segurança e objetividade. Estrutura que é concebido por Garcia, cujo modelo consiste emProposição: Análise da Proposição, Formulação dos Argumentos (fatos, exemplos, ilustrações, dados estatísticos, testemunho) e Conclusão. Garcia considera a “análise da proposição” de maior importância na argumentação. A formulação dos argumentos pode-se constituir a argumentação propriamente dita. (GARCIA, 2002, p. 390) Já Viana (2000, p. 93), a respeito da forma de argumentar, salienta...
tracking img