Resenha do livro de pernas pro ar - a escola do mundo ao avesso - eduardo galeano

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2282 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
GALEANO, Eduardo. De Pernas pro Ar: a escola do mundo ao avesso. Porto Alegre: L&PM, 1999. 384p.


Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, Uruguai, em 1940, Jornalista e escritor, viveu exilado na Argentina e na Espanha desde1973, no inicio de 1985 voltou para Montevidéu, onde atualmente vive, escreve e caminha. Autor de Vários livros, traduzidos em mais de vinte idiomas, seus livros recolhemas vozes da alma e da rua e oferecem uma síntese da realidade e sua memória.
Foi premiado diversas vezes, pela Casa de las América de Cuba em 1975 e 1978, e pelo Ministério da Cultura do Uruguai, recebeu o American Book Award da Universidade de Washington, os prêmios Italianos Mare Nostrum, Pellegrino Artusi e Grizane Cavour, o premio Dagerman, da Suécia, e a medalha de ouro do Círculo de BellasArtes de Madri. Foi ele eleito o primeiro cidadão Ilustre dos países do Mercosul e também o primeiro escritor a ser agraciado com o premio Aloa.

O livro esta dividido em seis capítulos e abrange os tópicos: 1- Problemas sociais. 2- História social. 3- Historia econômica – Século XX. 4 – Política internacional – Século XX. 5 – Áreas Subdesenvolvidas – Condições sociais.



O autor iniciamostrando com clareza a lógica invertida do mundo capitalista e como as coisas funcionam de modo inverso, ou ao avesso, o trabalho e castigado e a honestidade desprezada, enquanto a falta de escrúpulos e o canibalismo voraz e prestigiado e recompensado. Critica o sistema capitalista que pela primeira vez conquista o poder universal. Quando as nações ricas subjugam os países pobres, ou quandograndes empresas dominam as pequenas isto é chamado de instinto assassino é e muito valorizado, quando um pobre miserável e desempregado usa uma faca para procura por comida, e tratado como portador de uma patologia antissocial, carrega com ele a loucura e o perigo que todo pobre é portador.

Os responsáveis pela paz mundial são na verdade os que mais armas fabricam e vendem para os demais países. Aescola do mundo ao avesso condecora e premia Aqueles que mais pessoas matam em menos tempo e os que mais dinheiro ganham em menos tempo e com menos esforço. Segundo Galeano o mundo ao avesso nos ensina a viver e sofrer a realidade ao invés de transforma-lo, e que nesta escola as aulas de impotência, amnésias e resignação são obrigatórias, porem não existe escola sem contra escola.
O livro fazuma forte critica aquilo que ele chama de campos de concentração de luxo, ilhas de privilegio que são construídas em meio aos oceanos de miséria, fome e desespero, nestes campos de concentração os poderosos se relacionam apenas com os poderosos, os condomínios de luxo.

O contraste entre crianças ricas e pobres e outro destaque deste capitulo, a prostituição infantil, trabalho escravo que ascrianças são obrigadas a exercer, a criminalidade e o mundo do trafico são abordados com riqueza de detalhes. O livro critica a chamada “Ditadura da sociedade de consumo”, segundo Galeano, vivemos em um mundo onde a publicidade manda consumir e a economia proíbe, um mundo que oferece banquete a todos e fecha a porta no nariz de muitos, ainda segundo Galeano a industria da igualação que nosuniformiza e nos apalerma, decreta o fim das diferenças e das identidades, os donos do mundo nos comunicam a obrigação de nos contemplarmos em um único espelho, que reflete apenas os valores da sociedade de consumo.

Uma cultura aonde quem não tem não é, na era das privatizações e do mercado livre, o dinheiro governa sem intermediários, cabe ao estado apenas conter a mão de obra barata condenada a umsalário miserável e reprimir as perigosas legiões de grupos de desempregados. O estado é um estado juiz e policial. A pobreza mata a cada ano muito mais do que durante toda a 2ª guerra mundial, afirma Galeano.

O racismo e o machismo são criticados e combatidos por Galeano, segundo ele nos últimos cinco séculos os crimes dos brancos contra negros, índios e judeus foram verdadeiras barbáries...
tracking img