“A genialidade de clarice lispector e o conto ‘o primeiro beijo’”

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2300 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
“A genialidade de Clarice Lispector e o conto ‘O primeiro beijo’”

(2009.010.153)
(2009.020.192)
Eduardo de Barros Gama e Carluci Negrilo Monteiro, formandos em Letras:

Português/Literaturas.
Universidade Castelo Branco
bgamaed@hotmail.com/carlucimonteiro@hotmail.com

Resumo
O objetivo deste artigo é expor sucintamente a genialidade de Clarice Lispector, tomando como base,principalmente, o conto “O primeiro Beijo”, de Claricie Lispector, história que começa sob a indagação da namorada ao namorado se ele já beijara alguém antes dela. Depois de responder afirmativamente, o rapaz começa a contar como se deu o fato que, no fim culmina-lhe em uma grande descoberta. Expor aspectos linguísticos, literários, estilísticos, fluxo de consciência, com ênfase no momento epifânico, marcada autora e, por fim, alguns aspectos psicológicos, presentes na obra, além de um breve resumo bibliográfico.
Palavras-chave: fluxo de consciência, momento epifânico, cotidiano.

Introdução
Clarice Lispector nasceu numa aldeia de Chechelnyk, pequena cidade da região de Vinnytsia, Ucrânia, onde seus pais, quando viajavam exilando-se para a América, pararam a fim de que ela pudesse ter sidodada à luz. Ao chegar à cidade de Recife, Brasil, com a família fixou residência. Nessa época, Clarice tinha dois meses de idade. Desde pequena demonstrava paixão pelas letras e, aos sete anos, já escrevera seu primeiro conto.
Aos doze transferiu-se para o Rio de Janeiro onde cursou Direito. Seu primeiro Romance, escrito em 1943, mesmo ano em que se casou com um colega de turma, foi publicado em1944. Sobre este livro Alfredo Bosi, 2006, faz o seguinte comentário:
“Quando apareceu Perto do Coração Selvagem, romance de uma jovem de dezessete anos, a crítica mais responsável, pela voz de Álvaro Lins, logo apontou-lhe a filiação: ‘nosso primeiro romance dentro do espírito e da técnica de Joyce e Virginia Woolf’”.
Viveu vários anos fora do Brasil, acompanhando o marido diplomata. Retornou nadécada de 50 para morar no Rio de janeiro, onde trabalhou como jornalista e publicou crônicas em jornais e revistas. Veio a Falecer em 1977.
Clarice Lispector foi uma escritora que apresentava um estilo muito peculiar. Consistia em investigar o íntimo do ser humano, questionando-o existencialmente, resultando no chamado romance introspectivo. Segundo Antônio Cândido, Clarice possuía um ritmo deprocura, de penetração (no íntimo) que permitia uma tensão psicológica raramente alcançada em nossa literatura contemporânea. Sua prosa utilizava-se da temática da vida nas cidades (prosa urbana) em que as personagens refletem sobre várias situações cotidianas do ser humano, prática que se iniciou com Charles Baudelaire, considerado o grande iniciador da lírica moderna em seu conjunto de poemas,“As flores do mal”, 1857. Quanto a esse aspecto, SANT’ANNA, 1973, p.191 relata que: “Os contos transcorrem por lugares conhecidos, privilegiando os mais diversos bairros cariocas numa marcação cronológica de dias e noites [...], idas e vindas das personagens”.
No entanto as obras da autora, em geral, não apresentam ordem cronológica fixa (o tempo usado é o cronológico e o psicológico) no que dizrespeito à apresentação do enredo nas suas narrativas, ou seja, começo (com apresentação de personagens, por exemplo) meio e fim- as narrativas podem começar do meio, ir para o início, depois passar ao fim, etc. Como em “Os laços de família”, um de seus contos: “A mulher e a mãe acomodaram-se finalmente no táxi que as levaria à Estação” (Lispector, 1998:94), em que o começo se dá de maneira aleatóriae logo adiante, por meio do uso de volta ao passado (Flashback), vê-se que a história em si começou há duas semanas quando a “velha” (um dos personagens do conto) visitava a filha, o genro e o neto. Sobre esse aspecto Roberto Schwars, por sua vez, valoriza na escritora a presença do ‘momento’ em detrimento do ‘histórico’, mostrando que aí o tempo inexiste como possibilidade de evolução. [...]...
tracking img