Resenha critica filme salve geral

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1655 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PIAUÍ – UNINOVAFAPI



MARÍLIA DIAS SANTOS











RESENHA CRÍTICA: FILME SALVE GERAL


















TERESINA
2012
MARÍLIA DIAS SANTOS







RESENHA CRÍTICA: FILME SALVE GERAL
Trabalho de Graduação apresentado à Disciplina Tópico Gerais II, junto ao Centro Universitário UNINOVAFAPI,como requisito parcial para aprovação.


















TERESINA
2012









RESENHA CRÍTICA: FILME SALVE GERAL

Salve Geral – o dia em que São Paulo Parou, é um filme de Sérgio Rezende, inspirado em fatos reais, que foi inspirado na violência que São Paulo- SP sofreu em maio de 2006, no Dia das Mães. Neste dia a cidade parou, o comércio fechou e foi dadotoque de recolher a todos os moradores. Exibe o envolvimento de mulheres por trás do comando e mostra que a lei e a ética quando são postas a prova, o que impera é a força, bem como demonstra a corrupção favorecendo as organizações criminosas. Lúcia envolve-se com Ruiva, advogada do líder do Partido, essa mulher começa usá-la em missões que ligam ao Comando. Ela sem dinheiro e com o filho preso, acabaaceitando desafios perigosos, estando no limite entre a legalidade e o crime. De outro lado o Partido vive uma luta interna no presídio, entre o poder e a demonstração de força. O governo ao transferir a liderança inicia-se o estopim para o “Salve Geral”, assim, São Paulo vive momentos cruéis de violência e horror.
Ao observar o filme, pode-se discutir a realidade do sistema penitenciáriobrasileiro com o envolvimento das organizações criminosas e o comando do crime no meio social pelos chefes do Partido sob a omissão do Estado. De certa forma, há um grande envolvimento de pessoas de diversas classes sociais que contribuem para que essas organizações criminosas se proliferem e tenham ramificações em vários setores públicos. Observam-se pelas cenas os problemas que o sistemapenitenciário enfrenta e, que deveria funcionar de acordo com as regras de boa convivência as quais são desrespeitadas por vários aspectos sociais. Percebem-se ainda as situações de atuação da rede criminosa dentro e fora do presídio.
É perceptível a presença de uma advogada que contribui com execução de ações advindas dos chamados “chefões” do Partido e também a presença de outra, que pelanecessidade, se sujeita a realizar tarefas, no limite entra legalidade e o crime. Há também jovens, que muitas vezes por necessidades e falta de informação acabam se envolvendo com essa organização. O delegado que manipula situações entre os criminosos e tenta se autopromover perante o secretário de segurança por meio da imprensa mostrando os casos concretos de prisões forjadas. Participação dos agentespenitenciários em facilitar a entrada de drogas, aparelhos telefônicos dentre outros objetos não permitidos pelo regimento interno do presídio. Tudo isso, facilita a comunicação e o aumento de práticas criminosas por parte dos detentos como pelos outros membros do Partido que agem de forma coordenada fora dos presídios.
Assim, conseguem comandar várias ações criminosas de dentro da cadeia.Para tanto, há violentos tiroteios e mortes entre os líderes de alta periculosidade do partido a fim de sucederem no comando. A morte de um líder é automaticamente a sucessão de outro criminoso. E, quando isso começa envolver mortes de autoridades públicas, o governador emprega a força estatal mantendo esses líderes em segurança máxima na tentativa de demonstrar quem de fato detém o poder, oEstado. Mas, apesar da intervenção a comunicação entre eles ocorre e inicia-se o recado para governador, destruindo-se os transportes públicos e privados, ataques a delegacias de polícia, ônibus incendiados, ameaças a shoppings, metrôs e aeroportos, provocando dezenas de mortes de civis e agentes.
O governo diante de uma pressão social muito grande decide negociar com a organização criminosa...
tracking img