Renha critica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1159 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE..
CURSO DE DIREITO
DISCIPLINA:
PROFESSOR:
ALUNO (A):

RESENHA CRÍTICA

Identificação da obra e do autor: Maquiavel, Nicolau. O Príncipe. 2ªed. Martin Claret, 2007. Nicolau Maquiavel, autor do livro O Príncipe – político, escritor e filosofo, nasceu em Florença, em 1469, e faleceu em 1527, com 58 anos de idade. Desempenhou cargos públicos, desde os menos significativos comoos que de inicio executou na chancelaria até ao de 2º Chanceler da República. Administrou os negócios e relações externas, executando as decisões dos Cottimati. Como assessor de embaixadores, viajou para a França de Luís XIII, na mesma função conheceu César Borgia o poderoso condottiere filho do papa Alexandre VI que o inspirou na criação de O Príncipe.

RESUMO: O livro traz duas vertentes. Umade como o Príncipe deve governar e outra de como se deve comportar. O Livro é dividido em 26 capítulos que caracterizam um formato de Principado perfeito. Maquiavel utilizando fatos ocorridos na época usava exemplos de reinos para mostrar os erros e os acertos ocorridos nos principados, além disso, relata quais as prevenções desses fatos e de quais alternativas deveriam ter tomado. O autor retrataque o Príncipe deve ter uma boa relação com o povo, mas mantendo sempre sua soberania absoluta prevenindo uma possível revolta dos súditos. Já com o exercito o Príncipe prevalecendo de seu poder e autoridade mantém a ordem e os estudos de ataque tendo assim certas vantagens perante os inimigos. Utilizando os serviços ela milícia nacional terá a confiança de que sua milícia não a traíra. Ter umatécnica de ataque é uma das melhores formas de que se garanta a derrota do inimigo, estudo sobre o terreno e as mediações próximas ao reino facilitam a certeza da vitória. Para um principado há a virtude que depende da ação dele, ou seja, o poder de efetuar a mudança, e de contrapeso tem a fortuna (herança) que é o acaso, não depende de decisões e sim de sorte. Um Príncipe prudente não deve agir comboa fé, pois, para fazê-lo irá agir contra os seus interesses. O autor aponta que as forças auxiliares são inúteis assim como os mercenários, porque se são vencidos apresentam uma derrota e se vencem aprisionam a quem foi servo, pois nenhum Príncipe pode garantir segurança sem sua milícia nacional, ao contrário dependerá de sua sorte. Ao discorrer sobre a maneira de como o Príncipe deve agir comseus súditos Maquiavel reflete várias situações: cada Príncipe deve desejar ser tido como piedoso e não como cruel, apesar, disso deve cuidar de empregar convenientemente essa piedade, já o Príncipe que deseja praticar a crueldade para chegar ao poder ou nele se afirmar deve praticá-las de uma vez só evitando que ter de repeti-las a cada dia, assim tranqüilizara o povo, seduzindo depois combeneficio; O governante deve agir sempre com equilíbrio e almejar ser amado e temido, mas como tal combinação é difícil é muito mais seguro ser temido, no temor é mantido pelo medo do castigo que nunca falha. O autor dar indícios que quando um Príncipe chega ao poder ele na maioria das vezes não tem o apoio das massas, o Príncipe tenta ganhar sua amizade dando-lhe proteção, pois segundo Maquiavel quandoo homem recebe o bem esperando o mau se sente ainda mais obrigado em relação ao bem feitor. Ao elucidar sobre os aduladores Maquiavel mostra a importância de o Príncipe fazer com que as pessoas compreendam de que não há ofensa em se falar a verdade, mas que haja moderação, pois pode se tornar uma influencia indireta sobre o que realmente não é de interesse para o Príncipe, por isso deve terprudência ao escolher seus conselheiros. Maquiavel ao explanar sobre a Itália na situação que se encontrava na sua época entendia-se um sentimento de patriotismo para sua libertação e unificação. Almejando esse pensamento ele possui esperança na Família Médici para reconstrução da Itália.

RESENHA CRÍTICA: O Príncipe, principal obra escrita por Nicolau Maquiavel e um dos tratados mais influentes...
tracking img