Redes de micro e pequenas empresas como fonte de vantagem competitiva: um estudo dos albergues de belo horizonte, mg.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 22 (5409 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Turismo, Espaço e Paisagem

REDES DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMO FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA: UM ESTUDO DOS ALBERGUES DE BELO HORIZONTE, MG.

Autora: Josy Sapucaia Gonçalves, Universidade de Brasília
Co-autora: Helena Araujo Costa, Universidade de Brasília

O objetivo deste trabalho consiste em verificar como se dão as relações de cooperação entre os albergues de Belo Horizonte, sob aperspectiva de que a formação de redes de cooperação está relacionada à geração de vantagens competitivas para os negócios e o destino. Para tanto, apresentará uma reflexão teórica sobre redes de pequenas empresas no turismo e competitividade. Sua metodologia, de caráter descritivo, é composta por entrevistas qualitativas com proprietários de albergues e atores chave da cadeia produtiva doturismo. Com a pesquisa pretende-se contribuir para o entendimento da competitividade de micro e pequenas empresas no cenário de Belo Horizonte, no entanto, tais análises não têm a pretensão de serem conclusivas, mas sim de fornecimento de subsídios para futuras pesquisas.
Palavras-chave: MPE (micro e pequenas empresas), cooperação e competitividade.

Introdução
O mercado globalizado requer novasformas de pensar a organização produtiva, novos princípios e arranjos organizacionais, numa busca constante de obtenção de vantagens competitivas dinâmicas (AMATO NETO, 2008). Tais vantagens podem ser exemplificadas pela infra-estrutura local adequada, proximidade com centros de pesquisa e desenvolvimento, oferta de mão-de-obra qualificada, acesso aos modernos meios de transporte e de comunicação,dentre outras.
No entanto, nem todas as empresas de pequeno e médio portes possuem condições para buscarem sozinhas estas vantagens. Em função disso, autores como Casarotto Filho e Amato Neto (2007), e Silva e Teixeira (2008), vêem nas formas de aglomerações de empresas ou na formação de redes de cooperação empresarial uma solução para micro, pequenas e médias organizações alcançarem estasvantagens competitivas, tornando assim as cadeias produtivas mais eficientes.
Segundo dados do IBGE o setor do turismo é composto em sua maioria por micro e pequenas empresas, e são justamente estas as responsáveis pela maior contratação de pessoal no setor contribuindo de sobremaneira para o desenvolvimento econômico das regiões e agindo como um elemento de estabilização social (SEBRAE, 2008). Deacordo com a literatura e informações coletadas em diversos documentos do SEBRAE, a importância das relações de cooperação entre estas micro e pequenas empresas é vital para os ganhos em eficiência e o aumento da competitividade.
A formação de cadeias, redes de empresas e demais formas de cooperativismo apresenta inúmeras vantagens: poder de barganha junto a fabricantes, a produtividade resultante daautomação, maior acesso à tecnologia e a facilidade de crédito (SEBRAE, 2008). Entretanto, estas micro e pequenas empresas, por possuírem geralmente um caráter de gestão familiar, não compreendem como estas relações de cooperação podem contribuir no desempenho geral de suas organizações. Portanto, a necessidade de estudos que mostrem aos proprietários de micro e pequenas empresas a importânciadas relações em rede é fundamental para o desenvolvimento dos destinos turísticos brasileiros e das próprias organizações da cadeia produtiva do turismo.
Meios de Hospedagem
Segundo dados coletados em pesquisas do SEBRAE (2008) e do IBGE (2007) a maior parte da oferta dos meios de hospedagem, no Brasil e no mundo, é composta por pequenas e médias empresas, como pousadas, pensões e hotéisindependentes, embora a maior parcela de negócios hoteleiros seja responsável pelas grandes redes.
Ainda segundo estas mesmas pesquisas, o setor apresenta duas tendências distintas: a primeira, ligada à adoção de rigorosos padrões de qualidade, homogeneização e padronização dos espaços e fluxos nas grandes redes hoteleiras, e a segunda refere-se à busca pelo novo e a valorização de meios de hospedagem...
tracking img