Politraumatizados

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3591 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESPIRÍTO SANTO – UNESC

FAUSTO MARCIANO MORETHSON
























AEED 1: ASSISTÊNCIA A PACIENTES POLITRAUMATIZADOS
























COLATINA

2012













































1. UM INDIVÍDUO QUE SOFREU UM TRAUMA ABDOMINAL FECHADOPASSOU A APRESENTAR FRAQUEZA INTENSA, NÁUSEAS, SEDE, INQUIETAÇÃO, DESORIENTAÇÃO, RESPIRAÇÃO RÁPIDA E SUPERFICIAL, PULSO RÁPIDO E FRACO, PELE PÁLIDA, FRIA E CIANÓTICA. NESSA SITUAÇÃO, DEVE-SE SUSPEITAR DE INSTALAÇÃO DE CHOQUE HIPOVOLÊMICO. QUAIS SÃO AS CONDUTAS GERAIS COM ESTE PACIENTE AO SER ADMITIDO NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA E QUAIS OS CUIDADOS DE ENFERMAGEM?

Inicialmente o enfermeirodeve levar em consideração que o paciente politraumatizado, inclusive aqueles que têm lesões acima da clavícula, é portador de uma fratura na coluna cervical até que ser prove através de exames que isso não é uma realidade. As prioridades terapêuticas são: a reposição volêmica, a oxigenação, assegurar a permeabilidade das vias aéreas, estabilizar a coluna cervical, drenar o tórax, caso indicado, efixar as fraturas.

ABCDE em cuidados com individuo politraumatizado
• A – Via Aérea com proteção da coluna cervical
• B – “B” ventilação
• C – Circulação e controle da hemorragia
• D – Disfunção Neurológica
• E – Exposição completa do doente, prevenindo a hipotermia.


AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
São identificadas e tratadas as condições que oferecem risco de vida aopaciente, obedecendo às seguintes prioridades:


Desobstrução das vias aéreas e controle da coluna cervical (A)
• Colocar colar cervical antes do atendimento inicial;
• Abrir as vias aéreas empregando o método de elevação da mandíbula sem hiperestender o pescoço;

• Aspirar a cavidade oral utilizando o intermediário rígido;

• Introduzir cânula de Guedel.




Ventilaçãoe oxigenação (B)

Nas situações de ventilação inadequada faz-se necessária a obtenção de uma via aérea. As alternativas disponíveis são: ventilação com Ambú e máscara; intubação orotraqueal; intubação nasotraqueal; cricotireoidotomia por punção; cricotireoidotomia cirúrgica. No politraumatizado com problemas respiratórios a ventilação inicial deve ser realizada com ar enriquecido comoxigênio. As condutas iniciais para solucionar as dificuldades ventilatórias resumem-se em assistência ventilatória e drenagem da cavidade pleural.


• Iniciar ventilação com balão ventilatório e máscara com oxigênio ( O2) a 10 l/min

• Expor o tórax do paciente, avaliar frequência e padrão respiratórios, simetria dos movimentos torácicos e coloração da pele;

• Avaliar o nível deconsciência;

• Preparar material para intubação naso/orotraqueal ou crico/traqueostomia;

• Preparar o equipamento para ventilação mecânica;

• Manter material para drenagem do tórax preparado;

• Manter material para drenagem pleural preparado



Circulação (C)

Alteração da circulação e controle da hemorragia - Avalia-se o estado de perfusão tecidual através dopulso, da coloração da pele e do enchimento capilar. Geralmente, quando o pulso radial é palpável, a pressão sistólica está acima de 80 mmHg. A pressão arterial, a palidez cutânea e a sudorese são parâmetros que ajudam no diagnóstico. A causa principal de instabilidade hemodinâmica no politraumatizado é a perda sanguínea. O tamponamento e a compressão das lesões controlam adequadamente os sangramentosexternos. Deve-se assegurar acesso venoso através da punção de no mínimo duas veias periféricas com catéter calibroso. Antes de iniciar a infusão de líquido, deve-se colher amostras de sangue para tipagem sanguínea, provas cruzadas e exames hematológicos e bioquímicos necessários. Quando há necessidade de acesso venoso para reposição volêmica e monitorização da PVC, a melhor opção é através da...
tracking img