Pluralidade cultural

A temática da Pluralidade Cultural diz respeito ao conhecimento e à valorização de características étnicas e culturais dos diferentes grupos sociais produzidas ao longo de suas histórias e que convivem no território nacional, às desigualdades socioeconômicas e à crítica às relações sociais discriminatórias e excludentes que fazem parte da sociedade brasileira.
“Numa sociedade que sepercebe cada vez mais plural de culturas, etnias, religiões, visões de mundo e outras dimensões das identidades, o multiculturalismo, uma filosofia ou conceito que sustenta as estratégias políticas adotadas para governar ou administrar problemas de diversidade e multiplicidade e se constitui em um dos mecanismos para lutar contra toda forma de intolerância e em favor de políticas públicas capazes degarantir os direitos civis básicos de todos.” (PASINI e NENEVÉ, 2008,p.34).


A pluralidade se vive, ensina e aprende. É um trabalho de construção onde o envolvimento de todos se dá pelo respeito e pela própria constatação de quem, sem o outro, nada se sabe sobre ele, a não ser o que a própria imaginação fornece. Mostra que é preciso respeitar os diferentes grupos e culturas existentes eincentivar o convívio entre estes grupos com o objetivo de enriquecimento cultural.
Podemos observar essas diferenças, por exemplo, no ambiente escolar, onde em uma mesma escola, ou mesmo em uma sala de aula, temos estudantes de diferentes grupos étnicos, sociais, religiosos, etc. Dessa forma, cabe à escola e ao professor mostrar a esses estudantes a importância dessa mistura, como uma formade aprendizado e respeito.
Ainda hoje, nos deparamos com inúmeros casos de desrespeito e preconceito de certos grupos ou pessoas a outros grupos diferentes. Infelizmente, isso ocorre com muita freqüência dentro das escolas devido ao fato da sociedade ainda estipular moldes do que é o certo e o que é diferente. As leis brasileiras apresentam o direito do cidadão à igualdade de tratamentoindependente de sua raça, religião ou status social, mas podemos verificar que na prática não é o que acontece.
A escola deveria ser o início para uma mudança no pensamento das pessoas. Por ser a base para a formação do cidadão, seria interessante estimular os estudantes a pesquisar e se interessar por essas diferenças culturais, para assim poder respeitar o outro da forma como ele é, semjulgar ou avaliar, mas sim trocar informações para aprender e crescer como ser humano.
O vídeo “A Invenção da Infância” de Liliana Sulzbach retrata a diferença sócio-econômica entre crianças em diversas cidades e estados brasileiras e como isso interfere em uma educação de qualidade.

O autor compara a vivencia da infância de crianças de classe média e alta com crianças de regiõesagrárias, especialmente no nordeste do país. A rotina dessas crianças da mesma idade e com responsabilidades totalmente diferentes. As crianças de classe média e alta com suas atividades escolares e lazer, vinculadas a brincadeiras, passeios, jogos eletrônicos, etc.; e as crianças pobres, que trabalham no período diurno para ajudar a família com as despesas da casa e vão à escola no período noturno,cansadas e desmotivadas para o estudo. Esse tipo de rotina mostra claramente a dificuldade dessas crianças mais pobres em aprender e se desenvolverem no ambiente escolar, já que, após um longo dia de trabalho, ainda precisam andar por um longo caminho para chegar até a escola, muitas vezes com fome.

Na sociedade brasileira atual, apesar de a legislação definir o que é ser criança e também osdireitos reservados à infância, nem todas as crianças brasileiras vivem a infância da mesma forma, como podemos observar no documentário. Dessa forma, se torna difícil o Brasil conseguir fazer funcionar um sistema de ensino de qualidade, se as diferenças já começam fora da escola. Como uma criança que trabalha o dia todo, não tem a alimentação necessária e condução para ir até a escola pode...
tracking img