pdde

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1856 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de agosto de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
TRABALHO FINAL
MÓDULO:
PDDE



Regularização de Unidades Executoras
Garantindo o Controle Social e a Transparência no Uso dos Recursos Públicos Destinados às Escolas da Educação Básica






VERSÃO 1.0
ABRIL DE 2014



Sumário


Sumário 2
1.Análise do Texto e Identificação das Irregularidades Apontadas: 3
1.1.O texto, in (FNDE, 2014): 3
1.2.Irregularidadesidentificadas: 4
2.Projeto Proposto: 7
2.1.Regularização de UEs (Unidades Executoras) do Programa Dinheiro Direto na Escola, através da criação de Unidades novas, nas escolas onde estas inexistem, e atualização de Estatutos e Regimentos das UEs conforme Código Civil e outras Legislações incidentes. 7
7
3.Sujeitos: 8
4.Problema 9
PROBLEMA GERADOR: 9
4.1. Por que acontecem irregularidades no usodos recursos públicos? 9
CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROBLEMA E HIPÓTESE: 9
5.Objetivos 11
6.Estratégias 12




1. Análise do Texto e Identificação das Irregularidades Apontadas:

1.1. O texto, in (FNDE, 2014):
“Município tem indícios de fraude.
A síntese dos relatórios de fiscalização, correspondente ao 11º sorteio da Controladoria Geral da União (CGU), aponta
também indícios de fraudesnos recursos públicos geridos pela prefeitura de um município localizado na região Nordeste.
Nesse município, o total de recursos fiscalizados foi de R$ 2.804.240,11. As principais constatações foram: indícios de irregularidades em licitação e na contratação de prestação de serviços. “A prefeitura realizou duas licitações na modalidade tomada de preços, no valor total de R$ 909,9 mil, paramanutenção e conservação das escolas do município”.
A CGU verificou “falta de transparência na aplicação e transferência dos recursos do Fundeb em 2003, pois o Fundeb transferiu ao município R$ 1,5 milhão, para aplicação no ensino fundamental e, no mesmo ano, a prefeitura transferiu da conta do Fundeb para o Instituto de Previdência e Assistência ao Servidor Municipal o valor de R$ 139,4 mil”. Os fiscaisconstataram que a direção da entidade é composta por 11 membros, mas só se tem conhecimento do presidente e do tesoureiro, o qual disse não receber quaisquer informações sobre os fundos recolhidos. Diversos Professores afirmaram aos fiscais que desconhecem a existência do instituto.
A prefeitura apresentou algumas notas fiscais para comprovar despesas no valor de R$ 14,8 mil, com recursos doPrograma Dinheiro Direto na Escola, mas as notas não apresentam a descrição dos serviços efetuados, constando apenas a designação genérica de “serviços de recuperação de escolas da rede municipal de ensino”. A ausência de retenção e de recolhimento de contribuição previdenciária dá sequência aos desmandos com o dinheiro público.
“Através da análise das notas fiscais emitidas pelas empresascontratadas pela prefeitura para prestação de serviços envolvendo a utilização de mão de obra, os fiscais constataram a inexistência de retenção e consequente falta de recolhimento, para a Previdência Social, dos 11 % do valor bruto das notas fiscais”.
Em Ribeirão do Largo, também foi detectada falha na atuação do Conselho do Fundeb. Foi constatado que, no município, tal Conselho não analisa os processosde pagamentos e nem verifica in loco a execução dos serviços ou recebimento dos materiais adquiridos com recursos do Fundo.”
Fonte: A Tarde/BA
O conteúdo desse portal é de responsabilidade do Programa Interlegis, exceto quando se tratar de documentos submetidos por Casas Legislativas ou 
Parlamentares, ou quando identificada o seu autor.
 Comunidade Virtual do Poder Legislativo/Senado Federal1.2. Irregularidades identificadas:

1.2.1. Indícios de irregularidades em licitação e na contratação de prestação de serviços. “A prefeitura realizou duas licitações na modalidade tomada de preços, no valor total de R$ 909,9 mil, para manutenção e conservação das escolas do município”.
1.2.2. Fundeb transferiu ao município R$ 1,5 milhão, para aplicação no ensino fundamental e, no mesmo...