Padre antonio vieira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1307 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Disciplina: Português 11ºano
Ano lectivo: 2011/2012





Padre António Vieira


Indice
Introdução 3
Biografia 4
No Brasil 4
Em Portugal 5
De novo no Brasil 5
Regresso a Portugal 6
Em Roma 6
Em Portugal 7
No Brasil 7
Obras 8
Conclusão 9
Bibliografia 10Introdução

Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Português do curso de turismo.
O trabalho é sobre o Padre António Vieira que foi um dos mais influentes personagens do século XVII em termos de política e oratória.
O trabalho está organizado de uma forma bastante simples e aborda todos os aspectos da vida de Padre António Vieira.

Biografia
Padre António Vieira nasceu noano de 1608, na Rua do Cónego, perto da Sé, em Lisboa. Seu pai, Cristóvão Vieira Ravasco serviu a Marinha Portuguesa e foi, por dois anos, escrivão da Inquisição, tendo-se mudado para o Brasil em 1609, para assumir cargo de escrivão em Salvador, na capitania da Bahia.

No Brasil
Estudou na única escola da Bahia: o Colégio dos Jesuítas em Salvador. Consta que não era um bom aluno no começo, masdepois tornou-se brilhante. Juntou-se à Companhia de Jesus com voto de noviço em Maio de 1623. Obteve o mestrado em Artes e foi professor de Humanidades, ordenando-se sacerdote em 1634.
Em 1624, quando da Invasão Holandesa de Salvador, refugiou-se no interior, onde iniciou a sua vocação missionária. Um ano depois tomou os votos de castidade, pobreza e obediência, abandonando o noviciado. Nãopartiu para a vida missionária. Estudou muito além da Teologia: Lógica, Física, Metafísica, Matemática e Economia. Em 1634, após ter sido professor de retórica em Olinda, foi ordenado e em 1638 já ensinava Teologia.
Na segunda invasão holandesa ao Nordeste do Brasil (1630-1654), defendeu que Portugal entregasse a região aos Países Baixos, pois gastava dez vezes mais com sua manutenção e defesa doque o que obtinha em contrapartida, além do facto de que os Países Baixos eram um inimigo militarmente muito superior na época. Quando eclodiu uma disputa entre Dominicanos (membros da inquisição) e Jesuítas (catequistas), Vieira, defensor dos judeus, caiu em desgraça, enfraquecido pela derrota de sua posição quanto à questão do Nordeste do Brasil.

Em Portugal
Após a Restauração da Independênciaem (1640), em 1641, iniciou a carreira diplomática pois integrou a missão que veio a Portugal prestar obediência ao novo monarca. Impondo-se pela vivacidade de espírito e como orador, foi nomeado pelo rei pregador régio.
Em 1646 foi enviado à Holanda e no ano seguinte à França, com encargos diplomáticos. Era embaixador (o pai, antes pobre, foi nomeado pensionista real) para negociar com osPaíses Baixos a devolução do Nordeste. Caloroso adepto de obter para a coroa a ajuda financeira dos novos cristãos, entrou em conflito com a Inquisição mas viu fundada a Companhia de Comércio do Brasil.

De novo no Brasil
O povo de Portugal não gostava de suas pregações em favor dos judeus. Após tempos conturbados acabou voltando ao Brasil, de 1652 a 1661, missionário no Maranhão e no Grão-Pará,sempre defendendo a liberdade dos índios.

Regresso a Portugal
Voltou para a Europa com a morte de D. João IV, tornando-se confessor da Regente, D. Luísa de Gusmão. Com a morte de D. Afonso VI, Vieira não encontrou apoio.
Abraçou a profecia sebástica e por isso entrou de novo em conflito com a Inquisição que o acusou de heresia com base numa carta de 1659 ao bispo do Japão, na qual expunha suateoria do Quinto Império, segundo a qual Portugal estaria predestinado a ser a cabeça de um grande império do futuro.
Expulso de Lisboa, desterrado e encarcerado no Porto e depois encarcerado em Coimbra, enquanto os jesuítas perdiam seus privilégios. Em 1667 foi condenado a internamento e proibido de pregar, mas, seis meses depois, a pena foi anulada. Com a regência de D. Pedro, futuro D....
tracking img