Nova ortografia no museu da lingua portuguesa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1784 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
|QUESTÃO LINGÜÍSTICA |
|História da Ortografia da Língua Portuguesa ( Prof. David Gonçalves Lavrado ( |
|Vice-Diretor da Faculdade Moraes Júnior |

HISTÓRIA DA ORTOGRAFIA PORTUGUESA

Prof. David Gonçalves Lavrado *

A história da ortografia da língua portuguesa compreende trêsperíodos:

1º ( FONÉTICO, das origens medievais (século XII) até meados do século XVI;

2º ( PSEUDO-ETIMOLÓGICO, de meados do século XVI até os primeiros anos do século XX;

3º ( HISTÓRICO-CIENTÍFICO, de 1904, data da publicação da Ortografia Nacional de Gonçalves Viana, até nossos dias.

PERÍODO FONÉTICO

A grafia da fase arcaica da língua portuguesa representava exclusivamenteos sons da fala, inexistindo a preocupação de escrever-se consoante a origem das palavras. Assim, por exemplo, escrevia-se omem, honrra, liões, etc.
Contudo, a grafia não era, por falta de sistematização, absolutamente fonética, porquanto havia palavras com mais de uma grafia, indecisões, emprego de um mesmo sinal com valores diversos: haver/aver; nõ/nom/non; hidade/idade/ydade;homem/omem/ome. O h, por exemplo, podia indicar tonicidade da vogal: he (é); a existência de hiato: sahida (sa-í-da), trahedor(traidor; o som i : sabha (sabia); e, às vezes, era usado sem função definida: hua (uma).
Conquanto não houvesse um padrão uniforme na escrita, a tendência era indiscutivelmente fonética: Escrevia-se não para a vista, mas para o ouvido.1
PERÍODO PSEUDO-ETIMOLÓGICO

Osestudos humanísticos no século XVI levaram os eruditos a procurarem sistematizar a grafia portuguesa, aproximando-a da latina.
A grafia etimológica nessa época consistia em conservar as letras de origem das palavras, mesmo que não tivessem valor fonético algum. São incorporados ao nosso léxico com aspecto gráfico do Latim não só os vocábulos novos mas também os que já possuíam formas vulgaresresultantes da evolução do Latim para o Português. Assim, por exemplo, ocorreu com os vocábulos história, digno, benigno, maligno, os quais, segundo a pronúncia antiga, eram grafados estória, dino, indino, benino, malino.
Não sendo usado o método da pesquisa etimológica, por desconhecimento na época, a grafia proposta continha complicações inúteis, porquanto estava cabalmente desvinculadados princípios de evolução do idioma. As palavras de procedência grega apresentavam, então, grafias pretensiosas: PH: philosophia, nympha; TH: theatro; RH: rheumatismo; CH (velar): chimica, technico; Y: hydrophobia, nympha. Os eruditos, influenciados pelos modelos latinos que procuravam imitar, grafavam approximar, abbade, bocca, secco etc. por ignorarem que, na evolução para a nossa língua,essas consoantes se simplificaram.
Conquanto tivesse a pretensão de ser etimológica, tal grafia estava eivada de equívocos e de formas absurdas, sem respaldo etimológico: hontem ( ad noctem>ontem); pecego (persicu>pêssego);geito (iactu>jeito); Nictheroy (grafia inconcebível uma vez que o nome locativo Niterói é de origem indígena).
O eminente filólogo e foneticista português Aniceto dosReis Gonçalves Viana, a quem se devem as bases da simplificação ortográfica fixadas em Portugal em 1911, assim se manifestou sobre esse sistema: Estou de há muito convencido, e várias vezes o tenho dito pela imprensa, de que a denominada ortografia etimológica é uma superstição herdada, um erro científico, filho do pedantismo que na época da ressurreição dos estudos clássicos, a que se chamouRenascimento, assoberbou os deslumbrados adoradores da antigüidade clássica e das letras romanas e gregas, e pôde vingar, porque a leitura e a conseqüente instrução das classes pensadoras e dirigentes só eram possíveis a pequeno círculo de pessoas, cujos ditames se aceitavam quase sem protesto. 2

PERÍODO HISTÓRICO-CIENTÍFICO

A Lingüística em Portugal, com Adolfo Coelho, constituiu-se...
tracking img