Narcisismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4259 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ISPA - Instituto Superior de Psicologia Aplicada

Psicopatologia do Adulto II 2008/09 (2º Semestre)

Narcisismos. Quais?

Docente: Drª. Gisela Vianna De Araújo Discente: Nuno Azevedo e Silva Nº 13791 Turma 3 4º Ano Psicologia Clínica

“…Quando eu te encarei frente a frente Não vi o meu rosto Chamei de mau gosto, mau gosto É que Narciso acha feio O que não é espelho…” Caetano VelosoIntrodução Inicialmente conceptualizado por Freud (1914, cit. por Soref, 1995) como uma fase essencial no decorrer do desenvolvimento da sua teoria dos instintos, o narcisismo foi definido por este autor, no início, em termos económicos ou energéticos como o investimento libidinal do ego (Soref, 1995). Desde então, o uso do termo para designar os mais variados aspectos do self, tem sido responsável poralguma confusão. Assim, tem-se utilizado esta designação para se referir a uma perversão sexual, um estadio do desenvolvimento, um tipo de escolha do objecto, um modo de se relacionar com o meio envolvente e a vários aspectos da auto-estima (Pulver, 1970, cit. por Soref, 1995). Apesar disso, pode-se encontrar um ponto comum a todas estas abordagens e que é uma centração do interesse psicológicono self. O investimento do ego foi desviado para o self ou para a totalidade da personalidade, sendo o termo, na maior parte da literatura utilizado relativamente a questões da auto-estima (Moore & Fine, 1990, cit. por Soref, 1995). Para além disso, a escolha do termo narcisismo para designar um estadio de desenvolvimento não é ingénua, tendo em conta que as lendas de Narciso (uma do século XXVII,outra do século XIX) têm um fim idêntico: a morte (Hamilton, 1962, cit. por Trincão, 1983) ou a loucura, que corresponde a uma morte psicológica. Assim, desde sempre, tem-se considerado os estados narcísicos como o limite dos estados analisáveis (Trincão, 1983). Por estas razões, o presente trabalho pretende fazer uma breve revisão sobre o narcisismo, enquanto conceito. Forçosamente, dadas ascaracterísticas do trabalho e a complexidade do tema, esta abordagem terá que ser de certo modo superficial. Definição (ou definições?) O termo narcisismo, tirado da mitologia grega, designa o amor a si próprio, sendo o conceito introduzido por Freud ainda antes do seu artigo “Sobre o Narcisismo – uma introdução” de 1914 (Vincent, 2005).

Segundo João Trincão (1983), «por narcisismo designa-se afase normal do desenvolvimento humano, em que as pulsões componentes do instinto sexual deixam de procurar a satisfação auto-erótica e, mercê de uma operação mental, as diferentes componentes do instinto sexual se unificam, escolhendo o próprio individuo como objecto de amor, o que implica uma primeira representação de si próprio, um ego corporal rudimentar, constituindo essa representação o “egomental rudimentar”» (Trincão, 1983, p.395). Freud e o narcisismo: uma terminologia pouco clara Segundo Freud, «Chega uma ocasião, no desenvolvimento do individuo, em que ele reúne suas pulsões sexuais (que até aqui haviam estado empenhadas em actividades auto-eróticas), a fim de adquirir um objecto de amor; e começa por tomar a si mesmo, o seu próprio corpo, como objecto de amor» (Freud, 1911c, cit.por Vincent, 2005). O narcisismo corresponderia então a uma fase do desenvolvimento entre o auto-erotismo, cujas pulsões existem desde o início, e o amor de objecto. Contudo, o próprio Freud utilizou o termo de modo algo confuso sendo que o narcisismo foi também referido como uma situação originária psíquica na qual « o eu se encontra originalmente, logo no começo de vida, investidopulsionalmente e em parte capaz de satisfazer as suas pulsões sobre si próprio» (Freud, 1915c, cit. Vincent, 2005) O narcisismo pode, então, ser visto como essa fase entre o autoerotismo e o amor de objecto mas também o auto-erotismo pode ser visto como uma forma de satisfação do mesmo, sendo que o auto-erotismo muda de significação ao longo do desenvolvimento (Vincent, 2005). Freud defendia assim, a ideia...
tracking img