Mercado

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1306 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A TEORIA FREUDIANA E O CONSUMO
A teoria freudiana foi utilizada na tentativa de estabelecer que motivações mais profundas seriam responsáveis pela aceitação ou rejeição de produtos ou bens de consumo.
Foi utilizada também pelos homens de marketing na tentativa de correlacionar as instâncias psíquicas que, de acordo com FREUD, compõem a personalidade, com comportamento e gostos no que tange aoconsumo.
FREUD, ao falar do aparelho psíquico, estabelece três entidades: o id, o ego e o superego.
O ID: O ID, segundo Freud, é a fonte primitiva da energia impulsora psíquica, regido pelo princípio do prazer. É o pólo pulsional da personalidade, sendo que suas pulsões e a expressão psíquica das mesmas são inconscientes. Seus desejos em parte são hereditários e inatos e em parte adquiridos.Estes desejos exigem satisfação imediata e irrestrita. Fazem com que o homem busque seu prazer e a gratificação imediata deste prazer, sem preocupação com as conseqüências e realidades da vida.
Apelo ao ID - é o apelo aos prazeres, sendo que a satisfação das necessidades primárias e sua representação na comunicação, no anúncio no qual pessoas comem, bebem ou têm atividades sexualizadas, rindoalegres e felizes, universalmente têm um apelo idéico assim como a satisfação de necessidades secundárias e desejos desenvolvidos ao longo da vivência individual também.
“Queria tomar uma cerveja gelada, não uma, duas, quero todas, todas...!”

Mas, como o homem é um animal social, a livre expressão destes impulsos básicos sofre as restrições do mundo externo, do mundo dos outros homens,fazendo-se necessária outra instância psíquica.


O EGO: O EGO é derivado do ID por meio dos contatos com a realidade. O EGO então obedece ao princípio da realidade, servindo de mediador entre as exigências do ID, da realidade e ainda do SUPEREGO.
Funcionando como um aparelho adaptativo, encarregado dos interesses da personalidade total da pessoa, se utiliza de uma série de mecanismos de defesa.Se o desejo sexual do ID, por exemplo, exige satisfação imediata e animalesca, caberá ao EGO guiar ou deslocar este desejo para uma forma de satisfação mais permitida socialmente. Terá que planejar e executar isto procurando colocar o princípio da realidade no lugar do princípio do prazer. A percepção desempenha para o EGO o mesmo papel que a pulsão para o ID. Através da seletividade perceptiva,o EGO fará o indivíduo perceber somente os aspectos não ameaçadores, bloqueando os perigosos, e isto evidentemente de acordo com a estruturação psíquica individual.
Apelo ao EGO – os apelos ao ego, em termos motivacionais para o consumo, têm sido estudados como mais pertinentes às informações objetivas a respeito de produtos, de informações que fornecem dados da realidade como composição,tecnologia, custos etc. Apelam ao EGO também todos os produtos que, de uma forma ou outra, viabilizam os desejos do ID de forma mais aceitável. Como no exemplo a seguir:
“Vou tomar uma cerveja...meia cerveja”.
O SUPEREGO: A função do SUPEREGO é semelhante à de um juiz, de um censor. Dentro da teoria freudiana, o superego se estrutura a partir da interiorização das exigências e proibições dos pais, istoé, dos valores do mundo externo. O SUPEREGO então é a consciência moral inibitória dos impulsos do ID, cujos desejos o fazem sentir culpa.
“Não devo tomar bebida alcoólica, cerveja, melhor tomar um refrigerante...”
É também onde se localizam os sentimentos de dever e responsabilidade com as exigências. Cabe ao SUPEREGO uma vigilante auto-observação, sendo que, de acordo com sua estruturação,sua severidade pode ultrapassar de longe o rigor necessário para uma vida em sociedade.
A culpa que representa uma violação dos padrões morais internos e os sentimentos que resultam do conhecimento interno desta transgressão levam a um rebaixamento da auto-estima e sentimentos desconfortáveis dos quais o indivíduo procura se livrar. No caso de sentimentos de culpa, que a compra, uso ou consumo...
tracking img