Memorial

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1741 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade do Estado de Santa Catarina – XXXX
Coordenadoria de Educação à Distância - CEAD

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

MEMORIAL DESCRITIVO

Criciúma, Santa Catarina.
2007
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

MEMORIAL DESCRITIVO

Trabalho da disciplina apresentado à
Coordenação de Educação à Distância de Ciências e Educação– CEAD/XXXX como requisito parcial, para obtenção de nota na disciplina de Prática I do Curso de Pedagogia à Distância.
Tutora: Alie

Criciúma, SC
2007

Nasci em Laguna SC no dia 24/08/1969 mais ou menos às 12h 00 min.
Em fevereiro de 1975 entrei para o pré-escolar, não lembro se era este o nome usado naquela época, mas se fazia antes de entrar para a1ª série. O nome da professora era Maria, ela tinha uns 35 anos e uma fisionomia triste, brava. Eu era uma criança muito tímida e ficava no canto da sala, observava tudo em silencio, tinha medo até de pedir para ir ao banheiro. Minha mãe tinha conversado com a professora para me deixar ir ao banheiro sempre que eu pedia, porque tinha um problema na bexiga.
Certo dia ela tava muito irritada quandofui pedir novamente para ir ao banheiro, lembro que naquele dia estava muito frio, e ela respondeu: “você foi ao banheiro não faz 15 minutos, já está quase na hora de bater o sinal, vai esperar”. Só que não agüentei e fiz xixi na calça sentada na carteira, às crianças riram e eu quase morri de vergonha. Bateu o sinal às crianças fizeram à fila e foram esperar os pais e eu não quis sair da sala,pois estava toda molhada. Meu avô veio me buscar e eu estava com muita vergonha e chorei em seu colo, e ele me fazia carinho e dizia: “não foi nada minha linda”.
Ao chegar a casa minha mãe ficou brava com a professora, porque ela tinha avisado, eu estava com muito frio, tomei uma banho quente e lembro que naquela noite tive febre. No dia seguinte meu pai não deixou eu ir para o colégio e foiconversar com a dona Marta e ela disse que eu não tinha pedido para ir ao banheiro, meu pai respondeu: “ se isto acontecer novamente vou levar o caso para a direção”. Voltou para casa e conversou com minha mãe e eu brincava com meu irmão mais novo. Eles me perguntaram se eu tinha pedido para ir ao banheiro, falei que sim e a professora estava brava e não deixou, “estou com medo, não quero mais ir paraa aula”.
Nesta época meu pai estava para pegar um serviço em Criciúma, se desse certo nós mudaríamos para lá, e resolveram deixar que eu voltasse a estudar no próximo ano. Muitas noites acordava chorando, porque sonhava com o que tinha acontecido. Houve a mudança de cidade, senti muito a falta de meus avós, tios, primos, amigos, minha madrinha e padrinho.
No ano seguinte voltei para a escola,em 1976 no colégio São Condes, onde cursei até a 8ª série do 1º grau. Lembro que minha professora era clara, tinha os olhos azuis e era bem calma, não lembro seu nome, mas suas matérias eram bem explicadas, como eu era tímida e custava mais a aprender, sempre ficava sem recreio para me adiantar. Hoje minha professora da 1ª série dá catequese. Neste ano as professoras conversaram com os meus pais,onde acharam melhor eu repetir o ano.
No decorrer dos anos seguintes sempre estava na sala “R”, porque custava a aprender, lembro que me esforçava, mas havia um bloqueio que não me deixava entender.
Quando fui para a 5ª série eu já estava mais esperta e com um pouco mais de segurança em responder o que achava certo e na metade do ano fui para a 5 B, fiquei super contente com minha melhora.Lembro-me da professora de Ciências ela era muito exigente, gostava do caderno bem caprichado, em ordem, colorido e os textos bem destacados, sempre tirava uma nota boa, porque para ela dar 10 com estrelas era muito difícil.
Na 6ª série também na classe B, pela primeira vez tirei um 10 com três estrelas no caderno de Ciências, fiquei super feliz e isto me incentivou a me esforçar mais. Na 8ª série...
tracking img