Marketing invisivel

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2843 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Segundo Abbagnano (2003), ética é a ciência da conduta, que pode ser vista de dois modos diferentes. A primeira concepção apresenta a ética como a ciência que aponta a finalidade da conduta do homem, mostrando então como se deve agir para atingir este objetivo. Já na segunda concepção a ética é vista como a ciência das possibilidades da conduta dos humanos, que pretende determinar os movimentospossíveis de uma forma que oriente sua ação. A primeira concepção de ética fala em termos ideais para o qual todo o humano se dirige por conta de sua natureza; algo universal. A segunda fala dos motivos da conduta humana, atendo-se ao conhecimento dos fatos.

Alguns intelectuais fazem, então, uma distinção entre moral e ética. A moral seria esse conjunto de regras estabelecidas numasociedade, que diz à pessoa de que modo ela deve se comportar, agir. Já a ética seria caracterizada pela reflexão que o humano faz dessas regras em relação à situação em que, normalmente, essas regras deveriam ser empregadas. Permeando esta distinção, está o ethos, uma espécie de casa intima, subjetiva, constituída a partir das vivências sociais, na qual estão presentes, de algum modo, as normasculturais desses diversos âmbitos, e que são base para o agir pessoal e qualquer reflexão a respeito deste agir. O ethos é constituído, então, de forma singular, com as contribuições da família, da escola, dos amigos, da religião, e da cultura de forma geral. Porém, por algum tempo fez parte da visão ocidental, achar que as contribuições morais tenham vindo exclusivamente da religião, até porque os demaisâmbitos da sociedade eram norteados pela religião – cristianismo no caso. (Por isso, apesar dessa reflexão pretender se estender às religiões, ele apresenta o cristianismo como exemplo eleito dentre elas).

Certos de que ética fosse, necessariamente, um conjunto de regras, duramente muito tempo se acreditou que as leis oferecidas pela religião –  sobretudo, as judaica e cristã – eram amesma coisa que conduta ética, válidas para todos em qualquer situação. Isto quer dizer que seguir as normas de uma religião, ou dizer-se religioso, significava ser uma pessoa ética, confiável. E ainda hoje é assim para muitos. Porém, observando a multiplicação dos modos como a religião acontece e é vivida hoje – além do conflito entre elas –, é natural questionar se há realmente essa equivalênciaentre ética, moral e religião. Se acreditarmos que religião é a instância social que nos oferece as regras de conduta moral, desprovida de reflexão, considerando a multiplicidade religiosa do final do último século, em qual das religiões, ou denominações, estaria esta regra de condutas para todos? O que dizer das ações dos orientais? Se considerarmos que, mesmo refletindo, é necessário uma série deregras de conduta oferecidas por uma divindade como base do agir ético, estaríamos dizendo que os ateus não podem ser éticos? Seriam delinqüentes em potencial? No caso do agnóstico, haveria uma moralidade sem religião? Por outro lado, será que por haver um deus e regras de conduta, não é possível haver reflexão ética nas religiões?

É um fato histórico que práticas religiosas e tabus, bemcomo os costumes sociais são constituições humanas pré-históricas, anteriores, inclusive, à constituição da linguagem. Nestas culturas já havia a idéia de punição e recompensa de acordo com as ações do povo e de cada um. Contudo, o fato de surgirem praticamente juntas, religião e conduta social, não quer dizer que estejam necessariamente ligadas – embora também não seja possível comprovar queelas não estão ligadas, até porque para alguns estudiosos há uma relação de moral e religiosidade (no sentido de uma relação com aquilo que nos transcende) para além da religião.

Assim, uma das propostas neste texto, é responder às questões levantadas de modo a discutir a possibilidade de haver moral, ética desvinculada da religião – pois temos algumas razões para desconfiar disso – e nela mesma...
tracking img