Manuel bandeira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 69 (17102 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Manuel Bandeira (1886-1968)
Poeta brasileiro. Um dos nomes mais importantes do modernismo, considerado um clássico da literatura brasileira no século XX. Membro da ABL.

Um dos maiores poetas do modernismo, Manuel Bandeira é também considerado um clássico da literatura brasileira no século XX. Sua obra caracterizou-se pela simplicidade alcançada graças a um esforço de redução às essências,quer no plano temático, quer no da linguagem.
Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho nasceu em Recife PE em 19 de abril de 1886. Ainda jovem, mudou-se para o Rio de Janeiro RJ, concluindo estudos no Colégio Pedro II. Mais tarde abandonou o curso de arquitetura por motivo de doença (tuberculose) e em 1913 internou-se no sanatório de Clavadel, na Suíça, onde conheceu o poeta francês Paul Éluard. Devolta ao Brasil iniciou em periódicos sua produção literária. Conforme confessou o próprio poeta, sua vida não teve grandes acontecimentos. Foi professor de literatura hispano-americana na Faculdade Nacional de Filosofia e elegeu-se para a Academia Brasileira de Letras em 1940.
Sua vida revela-se em sua obra, onde temas universais como o amor e a morte são tratados no nível da experiência diária,embora alcançando uma generalidade que ultrapassa de muito a condição biográfica. De seu primeiro livro, A cinza das horas (1917), em que se evidenciam as raízes tradicionais de sua cultura, até sua última obra poética, Estrela da tarde (1963), Bandeira revelou grande capacidade de adaptar-se aos mais diferentes estilos e formas, percorrendo uma trajetória que vai da musicalidade difusa dosimbolismo a experiências de poesia espacial e concreta.
Pode ser visto, assim, como um virtuose da arte poética, e sua poesia percorreu um longo processo de amadurecimento, cujo início coincide com suas primeiras experiências como modernista. Isto, entretanto, não bastaria para classificá-lo como um grande poeta, tal como é considerado unanimemente pela crítica. Sua poesia ultrapassou a condição demestria na técnica do verso e ganhou uma dimensão mais profunda pela unidade temática que pode ser surpreendida na diversidade de formas.
Característico dessa unidade profunda é o humor poético de Bandeira. Embora tido como precursor pelas inovações surpreendentes de seu livro Carnaval (1919), no qual figura o poema "Os sapos", uma das pedras de toque do movimento modernista, o humor de Bandeira sóse desenvolveu plenamente em seu quarto livro, Libertinagem (1930). Nessa obra, que consolidou seu prestígio, tornou-se visível a influência da Semana da Arte Moderna de 1922, com suas experiências libertárias.
Modernista, Bandeira declarou-se contrário ao "lirismo funcionário público", preferindo "o lirismo difícil e pungente dos bêbedos / o lirismo dos clowns de Shakespeare". Mas esse "lirismopungente" não seria mais revelado só através de versos românticos, como em A cinza das horas. A intervenção da inteligência crítica, colidindo com a sensibilidade profundamente romântica do poeta, produziria o humor. Este marcaria seus versos com a auto-ironia, como em "Pneumotórax", em contraposição ao desencanto romântico.
O humor manifestou-se também como fruto da observação do cotidiano,transfigurando-o, como em "As três mulheres do sabonete Araxá", ou por meio de alusões literárias e inversões. Cite-se, por exemplo, o verso "a primeira vez que vi Teresa", alusão irônica ao célebre "a vez primeira que fitei Teresa" de Castro Alves. A inversão mais profunda surge em "Momento num café", onde alguém se descobre diante de um cortejo em que o corpo passa "liberto para sempre da almaextinta". O que lembra outra inversão num poema erótico em que "os corpos se entendem, mas as almas não".
Além dos livros de poesia citados, Bandeira deixou ainda os seguintes: Ritmo dissoluto, publicado pela primeira vez em Poesias (1924); Estrela da manhã (1936); Lira dos cinqüent'anos, publicado pela primeira vez em Poesias completas (1940); Belo belo, que surgiu na edição de 1948 das Poesias...
tracking img