Manuel bandeira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2331 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Biografia
Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho, mais conhecido como Manuel Bandeira nasceu em Recife no dia 19 de abril de 1886. Filho de Manuel Carneiro de Souza Bandeira e Francelina Ribeiro de Souza Bandeira. Em 1890 a família se transfere para o Rio de Janeiro e a seguir para Santos - SP e, novamente, para o Rio de Janeiro.
Em 1892 a família volta para Pernambuco. Manuel Bandeirafrequenta o colégio das irmãs Barros Barreto, e, como semi-interno, o de Virgínio Marques Carneiro Leão. A família mais uma vez se muda de Recife para o Rio de Janeiro, em 1896. Bandeira cursa o Externato do Ginásio Nacional (atual Colégio Pedro II) e um de seus professores foi o também escritor José Veríssimo.
Em 1903 a família se muda para São Paulo onde Bandeira se matricula na Escola Politécnica,pretendendo tornar-se arquiteto. Estuda também, à noite, desenho e pintura com o arquiteto Domenico Rossi no Liceu de Artes e Ofícios e começa a trabalhar nos escritórios da Estrada de Ferro Sorocabana, da qual seu pai era funcionário.
No final do ano de 1904, o autor fica sabendo que está tuberculoso, abandona suas atividades e volta para o Rio de Janeiro. Em busca de melhores climas para suasaúde, passa temporadas em diversas cidades: Campanha, Teresópolis, Maranguape, Uruquê, Quixeramobim.
Em 1910 entra em um concurso de poesia da Academia Brasileira de Letras, mas não ganha o prêmio. Lê, então, Charles de Guérin e toma conhecimento das rimas toantes que empregaria em Carnaval. Sob a influência de Apollinaire, Charles Cros e Mac-Fionna Leod, escreve seus primeiros versos livres, em1912.
A fim de se tratar no Sanatório de Clavadel, na Suíça, embarca em junho de 1913 para a Europa. No mesmo navio viajam Mme. Blank e suas duas filhas. No sanatório conhece Paul Eugène Grindel, que mais tarde adotaria o pseudônimo de Paul Éluard, e Gala, que se casaria com Éluard e depois com Salvador Dali.
Em virtude da eclosão da Primeira Guerra Mundial, em 1914, volta ao Brasil em outubro. Em1916 falece sua mãe, Francelina. No ano seguinte publica seu primeiro livro: A cinza das horas, numa edição de 200 exemplares. João Ribeiro escreve um artigo elogioso sobre o livro. Por causa de um hiato num verso do poeta mineiro Mário Mendes Campos, Manuel Bandeira desenvolve com o crítico Machado Sobrinho uma polêmica nas páginas do Correio de Minas, de Juiz de Fora.
O autor perde a irmã, MariaCândida de Souza Bandeira em 1918. No ano seguinte publica seu segundo livro, Carnaval. João Ribeiro elogia também este livro que desperta entusiasmo entre os paulistas iniciadores do modernismo. O pai de Bandeira, Manuel Carneiro, falece em 1920. O poeta se muda para a Rua Curvelo, tornando-se vizinho de Ribeiro Couto. Numa reunião na casa de Ronald de Carvalho, em Copacabana, no ano de 1921,conhece Mário de Andrade. Estavam presentes, entre outros, Oswald de Andrade, Sérgio Buarque de Holanda e Osvaldo Orico.
Inicia então, em 1922, a se corresponder com Mário de Andrade. Bandeira não participa da Semana de Arte Moderna. Na ocasião, porém, Ronald de Carvalho lê o poema "Os Sapos", de Carnaval. Meses depois Bandeira vai a São Paulo e conhece Paulo Prado, Couto de Barros, Tácito deAlmeida, Menotti del Picchia, Luís Aranha, Rubens Borba de Morais, Yan de Almeida Prado. No Rio de Janeiro, passa a conviver com Jaime Ovalle, Rodrigo Melo Franco de Andrade, Prudente de Morais, Dante Milano. Colabora em Klaxon e ainda nesse ano morre seu irmão, Antônio Ribeiro de Souza Bandeira.
Em 1924 publica “Poesia” que reúne A Cinza das Horas, Carnaval e um novo livro, O RitmoDissoluto. Colabora no "Mês Modernista", série de trabalhos de modernistas publicado pelo jornal A Noite, em 1925. A serviço de uma empresa jornalística, em 1926 viaja para Pouso Alto, Minas Gerais, onde na casa de Ribeiro Couto conhece Carlos Drummond de Andrade. Viaja a Salvador, Recife e muitos outros lugares, no ano seguinte continua viajando e colabora na edição da revista “Antropofagia”.
O ano de 1930...
tracking img